21 de Outubro de 2017
16º
max. 21º
min. 13º
notícias
iniciativas em destaque
encontro 17 de Outubro de 2016
Associativismo com voz ativa

A importância do trabalho das coletividades em prol da sociedade foi destacada no 10.º Encontro do Movimento Associativo de Setúbal, realizado no dia 15, no Fórum Municipal Luísa Todi.

No ano em que Setúbal ostenta o título de Cidade Europeia do Desporto, a Câmara Municipal organizou o encontro regular do associativismo com o tema “Setúbal 2016 / Cidade Europeia do Desporto – Do Desporto para Todos aos Grandes Eventos Desportivos – Os Desafios e as Oportunidades”.

Na sessão de abertura, o vereador da Cultura, Educação, Desporto, Inclusão Social e Juventude, Pedro Pina, salientou a filosofia de valorização de um tecido associativo “dinâmico, autónomo, criativo e empreendedor, capaz de aceitar e promover sinergias para a cooperação no concelho, em concreto uma articulação que permite a concretização de um conjunto de iniciativas no âmbito de Setúbal Cidade Europeia do Desporto.”

O autarca reforçou a importância de “valorizar a participação dos atores na construção de instrumentos da política municipal associativa, como forma de promover a participação cívica e a criação de dinâmicas de democracia participativa”.

No mote da reflexão, Pedro Pina invocou ainda o direito à cultura física e ao desporto, conforme consta na Constituição da República Portuguesa, salientando que também em Setúbal o desporto é um direito.

“É um espaço de igualdade e de oportunidades. É o caminho que queremos traçar, de uma cidade aberta ao mundo, que não escolhe a idade, o género, nem a cor nem a religião. O desporto foi o sonho que nos fez sonhar e caminhar em conjunto por uma cidade melhor”, afirmou.

O debate de ideias que junta o movimento associativo do concelho visou apontar caminhos para o futuro e promover o conhecimento e o exercício da cidadania junto das pessoas e das organizações interessadas na temática do desporto.

O presidente da Confederação Portuguesa das Coletividades de Cultura, Recreio (CPCCRD), Augusto Flor, acentuou que “é um ato de inteligência” quando autarcas e dirigentes associativos se juntam para debater e desenvolver projetos, com vista à resolução de problemas.

Na sessão de abertura do encontro, Augusto Flor relembrou os princípios do associativismo, para notar a particularidade de este estar intimamente relacionado com a formação da Constituição Portuguesa.

“Está escrito nela a liberdade de pensamento, depois a liberdade de expressão, a liberdade de reunião e depois a liberdade de associação. O associativismo é isto. E, para haver mais associativismo, tem de haver liberdade de pensamento e de expressão. Tem de haver liberdade de união e só depois é que existe a liberdade de associação”, afirmou.

O encontro, dinamizado ao longo de todo o dia, contou com várias intervenções de dirigentes associativos e especialistas na área das coletividades, períodos de debate e mesas de trabalho destinadas à troca e partilha de experiências.

O presidente da Associação Portuguesa das Cidades Europeias do Desporto, Nuno Santos, reconheceu o modo como Setúbal tem vivido este ano em que ostenta o título.

“O objetivo deste projeto é, na sua génese, agregar de todas a formas as forças desportivas e também aproximar a autarquia da população. Setúbal tem cumprido bem o desafio a que se propôs”, afirmou.

Após a sessão de abertura, na primeira conferência do encontro, Nuno Santos, juntamente com o vice-presidente da Câmara Municipal de Guimarães, Amadeu Portilha, abordaram o impacte local, social e desportivo que esta cidade do norte de Portugal teve após ter sido Cidade Europeia do Desporto 2013.

Guimarães foi a primeira cidade europeia de desporto em Portugal e ganhou, posteriormente, o título de melhor cidade europeia do desporto.

O exemplo da cidade algarvia de Loulé, Cidade Europeia do Desporto em 2015, foi igualmente tido em conta, como forma de paralelismo futuro para a cidade de Setúbal.

“Temos vindo a perceber que ao longo do ano de 2016 as atividades realizadas em Loulé são um espelho daquilo que aconteceu no ano anterior. Em Setúbal, para o ano, também será assim, estou convencido disso”, afirmou Nuno Santos.

Na segunda conferência do dia, que discutiu “O Movimento Associativo Popular Identifica Problemas e Aponta Soluções para o Futuro”, Augusto Flor descreveu a experiência da Confederação Portuguesa das Coletividades, com base nos dados conseguidos após o congresso nacional do setor, em 2015, compilados numa publicação, editada em setembro.

O 10.º Encontro do Movimento Associativo de Setúbal, que contou com a presença de vários dirigentes associativos de várias associações desportivas do concelho de Setúbal e representantes do poder local, abordou ao longo do dia várias temáticas.

Na mesa de debate foram também apresentados casos práticos de participação do movimento associativo, através da apresentação de “O Desporto e as Suas Dinâmicas”, a cargo de Leonel Silva, do Clube de Ténis de Mesa de Setúbal, e a “Génese e Desenvolvimento do Clube de Vela do Sado na Cidade Europeia do Desporto”, com António Santos, do Clube de Vela do Sado.

Num segundo painel de reflexão foram apresentadas três experiências. O presidente da APPACDM de Setúbal, José Salazar, falou sobre “O desporto como um fator ‘capital’ de inclusão”. De seguida, João Terlim apresentou “Club de Rugby de Setúbal – Um Projeto para o Futuro”.

“Setúbal 2016: os novos desafios para o Clube de Ténis de Setúbal” foi o tema do terceiro caso em análise, apresentado por António Estêvão, presidente desta agremiação.

A sessão de encerramento da reunião anual do associativismo contou novamente com uma intervenção do vereador da Cultura, Educação, Desporto, Juventude e Inclusão Social da Câmara Municipal de Setúbal, Pedro Pina. 

ferramentas
notícias relacionadas
mais recentes
+ lidas
APOIOS

AMRS
Setúbal é um Mundo
Câmara Municipal de Setúbal. ©
Todos os direitos reservados

website concebido por dodesign