18 de Outubro de 2017
14º
max. 20º
min. 14º
notícias
iniciativas em destaque
festival 12 de Março de 2012
Caldeirada delicia visitantes

Uma prova de degustação antecedeu, no dia 10, o encerramento do Festival da Caldeirada de Setúbal, certame que ao longo de 16 dias recuperou a tradição do prato típico do Concelho.

José da Gaia e João Oliveira, antigos pescadores e elementos da Associação Família do Mar de S. Sebastião, confecionaram para as cerca de trinta pessoas que apareceram na Casa da Baía uma caldeirada feita segundo a tradição dos marítimos, comunidade onde o prato tem origem.

Perante o olhar atento do público, a dupla preparou pacientemente três panelas, respondendo às perguntas que esporadicamente foram colocadas pelos visitantes.

A caldeirada de Setúbal, embora com preceitos comuns a muitos cozinheiros, não segue uma receita rígida. João Oliveira, enquanto mexia à mão, num alguidar, pedaços de safio, pata-roxa, tamboril e tremelga, esclareceu um visitante que não colocou raia na miscelânea de peixe porque não gosta. “Mas isso são opiniões”, rematou.

Por 3,50 euros o público provou – leia-se, almoçou, com direito a repetição – caldeirada e massa servida no caldo, com vinho tinto ou branco Malo Tojo.

Hermínia e Augusto Gaspar, a viver há apenas um ano e meio em Setúbal, sempre tiveram o hábito de almoçar peixe assado no Concelho. “Vínhamos da Amadora de propósito para comer sardinha. Nunca provei a caldeirada, daí estarmos cá hoje”, explicou Hermínia Gaspar.

O marido, reformado da marinha mercante, já provara o prato em alto-mar, onde a caldeirada nasceu, fruto das necessidades dos pescadores, e constatou como, apesar de ligeiras diferenças, a receita deste sábado coincidiu com as suas memórias.

“Setúbal destaca-se de muitos locais por muitos motivos fantásticos e a forma como se prepara o peixe é das que mais saltam à vista. É uma fama que é perfeitamente justa”, sentenciou o antigo marinheiro.

António Silva, lisboeta a residir em Setúbal há seis meses, conhece bem a caldeirada local e aproveitou a iniciativa para a voltar a provar. “Era para vir com a minha mulher, mas ela adoeceu e resolvi vir sozinho”, afirmou, acrescentando ser um apaixonado do peixe servido no Concelho.

Uma camada de cebola na base, outra de tomate e pimento e camadas alternadas entre batata e peixe, com o mais grosso a ficar por baixo, é uma das regras fundamentais a respeitar na preparação de uma caldeirada, sublinha José da Gaia.

“A água usada é do mar, por isso não se põe sal. E, no final, com a caldeirada quase pronta, deita-se vinho branco para a batata não desfazer”, remata João Oliveira.

Pelo caminho, o caldo contou ainda com o toque especial dos chefes de serviço: uísque.

Uma vez servido, o prato rapidamente conquistou o público presente. Jaime Monteiro, de Setúbal, rendeu-se à primeira garfada, soltando um “ótima!” para adjetivar o preparado.

A companhia, Maria Teresa, também sadina e apreciadora da caldeirada setubalense, procurou na experiência de sábado encontrar os sabores mais tradicionais do prato. “Uma maravilha! Não se pode dizer mais nada”, concluiu.

O Festival da Caldeirada de Setúbal, promovido pela Câmara Municipal, em parceria com espaços de restauração locais, chegou a ultrapassar as fronteiras do Concelho, com uma prova de degustação, também no dia 10, no Aqualuz Suite Hotel Apartamentos, no Troia Resort, parceiro da Autarquia na organização do certame.

APOIOS

AMRS
Setúbal é um Mundo
Câmara Municipal de Setúbal. ©
Todos os direitos reservados

website concebido por dodesign