20 de Outubro de 2017
18º
max. 21º
min. 18º
notícias
iniciativas em destaque
mar 26 de Setembro de 2014
Setúbal potencia frente ribeirinha

A requalificação e aproveitamento dos potenciais da frente ribeirinha de Setúbal foi sublinhada, na manhã de dia 26, por responsáveis da Câmara Municipal e do porto local como uma das principais estratégias para o desenvolvimento e internacionalização do concelho.

O vice-presidente da Autarquia, André Martins, e o presidente da Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra (APSS), Vítor Caldeirinha, apresentaram, na sessão de abertura do I Seminário Internacional Cidades Portuárias e a Relação Porto-Cidade “A Náutica de Recreio e o Turismo Náutico”, a decorrer ao longo do dia 26 no Fórum Municipal Luísa Todi, visões convergentes sobre o caminho que entendem ser necessário para o desenvolvimento do concelho.

“A maioria das pessoas em Setúbal faz vida em terra. A maioria vê o mar como uma limitação da terra e não como uma fonte de recursos a explorar. Isto não pode continuar”, desafiou Vítor Caldeirinha na abertura do encontro organizado pela APSS e pela Câmara Municipal no âmbito das comemorações do Dia Mundial do Mar.

Uma das ferramentas que estão a ser utilizadas pelas duas instituições para traçar novos planos para o desenvolvimento de Setúbal é um grupo de trabalho constituído por profissionais de ambas as entidades, criado para dar resposta a legislação de 2008 que regula a reafectação do domínio público marítimo integrado em áreas sem utilização portuária reconhecida.

Neste campo, André Martins anunciou que o grupo de trabalho está convicto de que a futura marina de Setúbal, infraestrutura considerada um dos eixos estratégicos mais importantes para a requalificação da frente ribeirinha de Setúbal, terá como melhor localização a doca de recreio utilizada atualmente pelo Clube Naval Setubalense.

“Qualifica a cidade e contribui decisivamente para melhorar a sua relação com a frente ribeirinha”, sublinhou André Martins, acrescentando que as vantagens urbanísticas da marina naquela localização compreendem ainda a beneficiação da proximidade de equipamentos culturais e turísticos e potencia investimentos públicos realizados pelo Polis e Programa Integrado de Valorização da Zona Ribeirinha de Setúbal.

A localização da marina na doca de recreio, realçou André Martins, na ótica da Câmara Municipal, “assegura maior potencial urbanístico que possa ser associado às componentes imobiliárias do investimento”, além de que dispõe de boas acessibilidades, melhores soluções de estacionamento e dinamiza o processo de reabilitação urbana do centro histórico.

O autarca adiantou igualmente que já estão a ser preparados dossiers pensados especificamente para potenciais investidores no projeto da marina, que incluem um estudo de mercado sobre náutica de recreio, um estudo prévio de viabilidade económica e uma caracterização de Setúbal como destino turístico.

André Martins garantiu ainda a “total disponibilidade” da Câmara Municipal para o desenvolvimento de instrumentos de ordenamento do território necessários “para o enquadramento urbanístico indispensável à qualificação da zona envolvente e à concretização da componente imobiliária do investimento”.

A futura marina de Setúbal foi apenas um dos exemplos dados de instrumentos vantajosos para o desenvolvimento urbanístico, económico e turístico do concelho.

Vítor Caldeirinha salientou os “grandes avanços” na concertação de esforços da Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra com a Câmara Municipal no âmbito de uma estratégia de requalificação da frente ribeirinha.

O presidente do conselho da APSS adiantou que já existe consenso entre as duas entidades sobre a problemática inerente ao cais intermodal e destacou que o Porto de Setúbal abriu à população espaços da área portuária dos quais não retirava usufruto económico, como é o caso do Cais 3.

Vítor Caldeirinha referiu ainda a criação de novos parques estacionamento na frente ribeirinha e, entre outros projetos de desenvolvimento, manifestou o desejo de potenciar o aparecimento de mais serviços de cruzeiros turísticos no Sado.

Tudo, afirmou, realizado através de colaborações estreitas com os diferentes parceiros do Porto de Setúbal, caso da Câmara Municipal e dos agentes de turismo, de outras atividades económicas e de segurança, entre outros.

Estratégia que se encontra em plena harmonia com as intenções do Município, que, pela voz de André Martins, considera ser “fundamental abordar de forma integrada a compatibilização e a articulação do desenvolvimento portuário e industrial com o desenvolvimento turístico e náutica de recreio, com a reabilitação urbana e com a organização das infraestruturas de transportes”.

O vice-presidente da Autarquia anunciou que a Câmara e o Porto de Setúbal vão celebrar em breve um protocolo de intenções com dois objetivos basilares.

O primeiro relaciona-se com “a urgente necessidade de melhorar a articulação de Setúbal com o Polo Turístico de Troia e com o Litoral Alentejano em matéria de transportes e acessibilidades, fazendo convergir numa plataforma intermodal os transportes rodoviários, ferroviários e fluviais e o estacionamento automóvel”.

O segundo objetivo está associado à náutica de recreio e ao turismo náutico, no âmbito do qual, salientou André Martins, será importante identificar os locais para a implantação de novas infraestruturas de apoio neste setor económico, tais como a marina, bem como a caracterização dos equipamentos existentes, contribuindo para a requalificação dos mesmos e melhoria dos serviços prestados.

O I Seminário Internacional Cidades Portuária e a Relação Porto-Cidade, que encheu o Fórum Luísa Todi, contou ainda no período da manhã com um painel dedicado à temática “A Náutica de Recreio como Estratégia de Valorização Territorial”.

Moderado por João Figueira de Sousa, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova, contou com as intervenções de Augusto Mateus, da Augusto Mateus & Associados, Vincent Chapapría, da Universidad Politécnica de Valencia, e de Bruno Soares, da Bruno Soares Arquitetos.

Durante a tarde realizam-se mais dois painéis de discussão, um dedicado ao tema “Experiências de Promoção de Infraestruturas de Apoio à Náutica de Recreio” e o outro sobre “A Náutica de Recreio e o Turismo Náutico em Setúbal: Perspetivas de Desenvolvimento”.

A sessão de encerramento do seminário, previsto para as 17h30, está a cargo do diretor-geral de Política do Mar, comandante João Fonseca Ribeiro.

O programa comemorativo de Setúbal do Dia Mundial do Mar conta ainda com uma exposição de banda desenhada sobre portos marítimos e visitas aos navios da Marinha Sagres e Creoula, bem como à caravela Vera Cruz.

APOIOS

AMRS
Setúbal é um Mundo
Câmara Municipal de Setúbal. ©
Todos os direitos reservados

website concebido por dodesign