28 de Junho de 2017
18º
max. 25º
min. 16º
História
iniciativas em destaque
início > Concelho > História > Personalidades > José Afonso (1929-1987)
José Afonso (1929-1987)

José Afonso, ou Zeca Afonso, "pai" de canções que marcaram o País antes, durante e depois da Revolução dos Cravos, como “Grândola Vila Morena”, “Venham Mais Cinco” ou “O que faz falta”, nasceu, em Aveiro, em 2 de agosto de 1929.

José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos, de nome completo, filho de um juiz e de uma professora primária, tendo passado os primeiros anos de vida entre a terra natal, Angola e Moçambique.

"Bicho-cantor" foi a alcunha que lhe deram no liceu, por cantar serenatas durante as praxes. Nesta altura conhece a vida boémia e os fados tradicionais de Coimbra.

Entre 1946 e 1948, enquanto terminou o liceu, conheceu a costureira Maria Amália de Oliveira, com quem casou às escondidas, devido à oposição dos pais.

Quando, em 1949, ingressou no curso de Ciências Histórico-Filosóficas, da Faculdade de Letras, revisitou Angola e Moçambique, integrado numa comitiva do Orfeão Académico da Universidade de Coimbra.

Em 1953, nasceu o primeiro filho, José Manuel, e, enquanto dava explicações e fazia revisões no “Diário de Coimbra”, viu os primeiros discos serem editados.

O Emissor Regional de Coimbra, da Emissora Nacional, foi o local escolhido para a gravação dos dois discos, de 78 rotações, com faixas de fados de Coimbra.

“Fados de Coimbra” é o título do primeiro EP, editado em 1956. Nos finais dos anos 50, princípios de 60, começou a frequentar coletividades e a cantar, com regularidade, em festas populares.

Em 1963, concluiu o curso, com uma tese sobre Jean-Paul Sartre e a nota de 11 valores.

A senha para o início da Revolução de abril, “Grândola Vila Morena”, nasceu após Zeca Afonso se ter inspirado numa atuação na Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense, em maio de 1964.

O único disco editado pela Valentim de Carvalho, “Cantares de José Afonso”, é desse ano, altura em que regressou a Moçambique, onde viveu e lecionou durante três anos.

O regresso a Portugal deveu-se à oposição José Afonso ao sistema colonial . O destino, desta vez, foi Setúbal, onde foi colocado como professor, tendo sofrido uma grave crise de saúde que o forçou ao internamento hospitalar durante vinte dias. Quando recuperou, ficou a saber que tinha sido expulso do ensino oficial, passando a viver de explicações que dava.

O álbum “Contos Velhos Rumos Novos” e o single “Menina dos Olhos Tristes”, que contem a canção popular “Canta Camarada” , são editados em 1969.

Seguem-se “Traz Outro Amigo Também”, em 1970, gravado em Londres, “Cantigas do maio”, em 1971, gravado em Paris, e, no ano seguinte, “Eu Vou Ser Como a Toupeira”, editado em Madrid.

Em abril de 1973, foi preso, passando vinte dias em Caxias, e no Natal desse ano gravou, em Paris, “Venham Mais Cinco”, com a colaboração musical de José Mário Branco, então exilado na capital francesa.

Muitas outras canções, espetáculos e prémios surgiram nos anos posteriores à revolução e, em 1982, os primeiros sintomas da doença que lhe causou a morte, uma esclerose lateral amiotrófica, começaram a manifestar-se.

No último álbum, “Galinhas do Mato”, editado em 1985, Zeca Afonso já não conseguiu cantar todos os temas, sendo substituído por muitos cantores portugueses, como Luís Represas e Janita Salomé.

Dois anos mais tarde, no dia 23 de fevereiro de 1987, às 03h00, José Afonso morreu, no Hospital de S. Bernardo, em Setúbal.

Mais de 30 mil pessoas prestaram-lhe homenagem, no dia do funeral, nas ruas de Setúbal e na Escola Secundária Sebastião da Gama, de onde o corpo saiu para o cemitério da Nossa Senhora da Piedade, numa das maiores manifestações de que há memória na cidade.

Recordar José Afonso
APOIOS

AMRS
Setúbal é um Mundo
Câmara Municipal de Setúbal. ©
Todos os direitos reservados

website concebido por dodesign