Parcialmente nublado
Nutricionista no Campo de Férias Jovem | foto da Junta de Freguesia de São Sebastião

Tendo em conta que a relação com a alimentação tem um papel fundamental no bem-estar físico, emocional e social da criança, a Junta de Freguesia de S. Sebastião, em parceria com o Teatro do Elefante e o apoio da Câmara Municipal, proporciona, no Campo de Férias Jovem, que decorre até 16 de agosto, um acompanhamento presencial de duas técnicas especializadas em nutrição, durante o almoço, uma vez por semana.


Para as crianças, as férias escolares representam um período livre de obrigações, mas a mudança de rotina não deve significar ausência de regras, principalmente no que respeita à alimentação, área que preocupa muitos pais e encarregados de educação.

Para apaziguar essas inquietações, a Junta de Freguesia de S. Sebastião e o Teatro do Elefante, com o apoio da Câmara Municipal, que cedeu duas trabalhadoras da autarquia para esse efeito, decidiram promover, pela primeira vez, um acompanhamento presencial e especializado em nutrição, durante os almoços no Campo de Férias Jovem, cujas ementas são planeadas por nutricionistas.

Cabe às profissionais Vera Azevedo (nutricionista) e Cátia Silva (técnica de nutrição e qualidade alimentar) promover bons hábitos alimentares junto das crianças e jovens, com idades compreendidas entre os 6 e os 12 anos, através de uma estratégia de incentivo ao consumo de refeições equilibradas e saudáveis.

Durante a distribuição das refeições, no refeitório da Escola Básica Luísa Todi, as especialistas verificam, em cada prato, se as quantidades servidas e a proporção de cada grupo alimentar são as mais adequadas à faixa etária dos participantes.

Já nas mesas, onde o grupo de mais de 30 jovens é acompanhado por cinco monitores do Campo de Férias, as técnicas incentivam ao consumo da refeição completa que inclui sempre sopa, segundo prato e sobremesa composta apenas uma vez por semana por um doce, havendo sempre a opção de fruta. A bebida preferencial é água, embora também esteja disponível uma garrafa de sumo por mesa.

“Vemos o que cada um come e incentivamos a que pelo menos provem tudo o que está no prato, antes de recusarem o seu consumo”, explica Cátia Silva que vai conversando individualmente com alguns resistentes às verduras. “É importante comeres a sopa e a salada para teres energia”, aconselha a um menino que rejeita esses alimentos.

A ideia não é impor a ingestão, mas mostrar que é importante ter uma alimentação saudável e variada para crescerem e desenvolverem-se sem défices no desempenho físico e cognitivo.

“Ter técnicas especializadas a dar este apoio, faz toda a diferença”, expressou Teresa Casaca, coordenadora-geral do Campo de Férias Jovem de S. Sebastião.

A responsável revela que os conselhos e sugestões vindos de outras pessoas que não os monitores, com quem estão diariamente das 08h30 às 17h30, são melhor acolhidos pelas crianças, que ficam mais recetivas por verem “caras novas”.

Embora esta ação seja importante, o exemplo é a melhor lição e deve começar em casa, no seio familiar. “Muitos nem sequer estão habituados a comer sopa em casa e às vezes ao jantar comem cereais, sandes e guloseimas e não estão habituados a comer uma refeição mais completa”, salienta Cátia Silva que acompanha as refeições de centenas de alunos em alguns agrupamentos de escolas do concelho.

Esses hábitos alimentares menos saudáveis das crianças estão enraizados nos padrões alimentares dos adultos. Se os pais oferecerem e consumirem uma alimentação saudável junto dos filhos, haverá uma maior probabilidade de as crianças receberem essa conduta como um modelo de vida, estimulando a manutenção de uma alimentação saudável.