18° Céu limpo
João César Monteiro

Quatro filmes são exibidos nos dias 21, 22, 28 de fevereiro e 1 de março, no Cinema Charlot – Auditório Municipal, num ciclo de homenagem ao cineasta português João César Monteiro.


“Recordações da Casa Amarela”, produzido em 1989, é o primeiro filme a apresentar no âmbito do ciclo Viva João César Monteiro, seguindo-se “A Comédia de Deus”, de 1995, “As Bodas de Deus”, de 1999, e “Vai e Vem”, de 2003.

O ciclo, programado pelo produtor Paulo Branco e organizado pela Medeia Filmes e a Leopardo Filmes, surge no seguimento das comemorações dos 80 anos do nascimento de João César Monteiro. Para tal, são exibidos alguns filmes do realizador português em salas de cinema portuguesas, entre 5 de fevereiro e 1 de março.

O arranque do ciclo está marcado para 5 de fevereiro no Teatro Municipal do Porto – Rivoli e Campo Alegre, seguindo-se exibições em Lisboa, no Cinema Monumental, em Braga, no Theatro Circo, em Coimbra, no TAGV, e em Setúbal, a fechar a iniciativa, com as quatros sessões a decorrerem no Cinema Charlot – Auditório, sempre às 18h00.

Os preços praticados nestas quatro sessões são os mesmos das exibições regulares do Cinema Charlot, de 4,5 euros para o público em geral e de 3,5 para estudantes, titulares do cartão jovem e maiores de 65 anos.

João César Monteiro nasceu na Figueira da Foz a 2 de fevereiro de 1939 e foi considerado pela crítica o maior cineasta português à época. Integrou o grupo de realizadores que lançaram o movimento Novo Cinema e fez-se notar como crítico de cinema na década de 1960.

Prosseguiu a tradição iniciada por Manoel de Oliveira ao introduzir no cinema português de ficção o conceito de antropologia visual. Ao mesmo tempo, seguiu um percurso original que lhe proporcionou reconhecimento internacional no Festival de Cannes e Festival de Veneza. Morreu em Lisboa a 3 de fevereiro de 2003.