17° Muito nublado
E-Tech 2019

A importância do debate sobre as consequências da “Transformação Digital”, tema da quarta edição da E-Tech Portugal, foi destacada no dia 10 na sessão de abertura do certame tecnológico, a decorrer até dia 11 no cais 3 do porto de Setúbal.


O vice-presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Manuel Pisco, reconhece que a transformação digital mudou a vida em sociedade, mas alerta para a necessidade de se manterem os valores sociais.

“A maior facilidade de comunicação que temos atualmente, proporcionada pela transformação digital, será boa ou má conforme a utilização que lhe dermos, mas não é essencial e não substitui os valores sociais.”

A E-Tech Portugal 2019, que arrancou com um momento musical pelo quarteto de saxofones da Academia de Música e Belas-Artes Luísa Todi, contou também com a intervenção do presidente do IPS – Instituto Politécnico de Setúbal, Pedro Dominguinhos, que, pela primeira vez, é parceiro na organização do evento.

“Estamos aqui porque reconhecemos a importância desta iniciativa para Setúbal, para a região e para a mudança digital que está em curso em todas as atividades do dia a dia. A nossa participação é de alma e coração e podem continuar a contar connosco para promover a literacia digital.”

No papel que compete ao IPS, Pedro Dominguinhos sublinha o aumento significativo da oferta de cursos na área das tecnologias e informática, que, atualmente, “já é a segunda maior área de formação no instituto”.

No entanto, ressalva que há ainda desafios para ganhar, como o da inclusão, ou seja, promover o acesso de todos às novas tecnologias, e da diminuição do fosso entre homens e mulheres envolvidos nesta área.

“Basta olharmos para o número de conferencistas na E-Tech para perceberemos que são maioritariamente homens. A mudança desta realidade tem de começar desde muito cedo, captando a atenção das crianças para estas áreas.”

A quarta edição da E-Tech, organizada numa parceria Câmara Municipal de Setúbal, EDUGEP – Escola de Programação, Associação Nacional de Professores de Informática, Associação da Indústria da Península de Setúbal e IPS, junta, no mesmo espaço, uma feira tecnológica, uma conferência com especialistas na área das tecnologias, workshops gratuitos, concurso de drones e torneios de jogos de computador e de Playstation 4.

“Esta é edição da E-Tech com a maior área de sempre e com mais pontos de interesse”, vincou o diretor da EDUGEP, António Gonçalves.

A E-Tech Portugal 2019, com entrada gratuita, apresenta-se com uma área de exposição de 2700 metros quadrados, na qual estão disponíveis as mais recentes novidades na área das tecnologias da informação e da comunicação, com mais de 50 expositores, incluindo empresas, startups, instituições públicas, associações empresariais, escolas, universidades e politécnicos.

Segundo António Gonçalves, a quarta edição, que aguarda a visita de cerca de 10 mil pessoas, contempla “mais espaços de diversão e de jogos”, uma maior diversidade de iniciativas a decorrer em simultâneo, divididas por zonas temáticas, bem como um espaço dedicado ao networking empresarial e profissional, num ambiente dinâmico, propício à criação de relações comerciais duradouras.

Uma das zonas mais animadas é o Espaço Gaming, onde dezenas de crianças e jovens experimentam, gratuitamente, vários jogos e participam em torneios de FIFA 19 e de Counter Strike.

“Olha-me só estes gráficos!”, ouve-se numa das cerca de duas dezenas de cadeiras onde decorre o torneio de FIFA 19.

José Santos, 18 anos, que veio com um grupo de colegas da Escola Secundária Lima de Freitas, é um dos jogadores mais entusiasmados e confessa-se surpreendido com o que já viu na E-Tech.

“Estou a gostar muito. É um evento interessante em que podemos jogar e competir em torneios de videojogos, mas também interagir com drones. Também quero ir ver a zona dos videojogos antigos.”

José Santos refere-se ao Espaço dos Retro Computadores, onde mais de duas dezenas de crianças entre os 12 e os 14 anos jogam, divertidas, nos equipamentos antigos disponíveis, entre os quais computadores Spectrum, Atari e Commodore e consolas Nintendo e Sega.

“A ideia era atrair os pais para se recordarem dos jogos de antigamente, enquanto os miúdos estão ocupados noutras atividades. Mas curiosamente são os filhos que mais estão a usar este espaço. O retro está na moda”, explica Ricardo Saraiva, da Retro Shop.

Novidade na edição deste ano da E-Tech é a participação do Exército e da Guarda Nacional Republicana, que mostram aos visitantes como as novas tecnologias ajudam ao desenvolvimento do seu trabalho.

No expositor do Exército, três amigas ouvem as explicações do sargento-chefe Cruz sobre o BMS – Battlefield Management System, que “permite a uma força saber em permanência a localização das viaturas e dos homens”.

As meninas experimentam as funcionalidades do sistema e, divertidas, pedem ao sargento para tirar uma selfie para “mostrarem aos amigos que enviaram mensagens de texto através do sistema utilizado pelo Exército”.

A feira tecnológica inclui o Edutech 2019, mostra de projetos educativos de robótica e programação apresentados por escolas que disputam prémios a atribuir às melhores dinâmicas.

De salientar, igualmente, o já tradicional concurso Parrot Drone-Tech Challenge e a realização de workshops gratuitos, no programa E-Tech Talks by Volkswagen Autoeuropa, uns direcionados ao público em geral e outros para públicos específicos, como alunos, professores, diretores de escolas, profissionais da área das tecnologias, empresários e jovens empreendedores.

Até dia 11, o evento promove, igualmente, uma conferência de partilha de conhecimentos sobre o que de bom se faz nestas áreas atualmente e de reflexão sobre o futuro e o caminho para as novas gerações.

No encontro, duplamente creditado para o Plano de Formação de Professores nas componentes geral e específica de informática e com certificação no âmbito da Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho para o público em geral, marcam presença alguns dos maiores nomes da elite tecnológica em Portugal para refletir sobre “Transformação Digital”.

Após a sessão de abertura, realizou-se um painel sobre o tema “Transformação Digital em 15 minutos”, em que participaram como oradores Carlos Sousa, da Introsys, o tenente-coronel Nuno Carocha Gonçalves, da GNR de Setúbal, Paulo Infante, professor e investigador da Universidade de Évora, Andreia Morgado, do Instituto de Soldadura e Qualidade, e o diretor-geral da Educação, Vítor Pedroso.

Ainda durante a manhã, o administrador da Altice Portugal Alexandre Teixeira da Fonseca falou sobre “Novos Modelos de gestão e a importância das Telco na Transformação Digital das organizações”.

Da parte da tarde, até às 16h00, decorre o painel “Transformação Digital na informação/Comunicação”, moderado pela jornalista Ana Martins, que conta com o presidente da Associação Portuguesa de Imprensa, João Palmeiro, o cofundador e diretor da Shifter, João Ribeiro, e o diretor-adjunto da RTP – Antena 1, Paulo Sérgio.

Segue-se, o painel “Transformação Digital na Indústria/Agricultura/Mar”, moderado pelo diretor do Sem Mais Jornal, Raul Tavares, com intervenções de Gisela Garcia, da Volkswagen Autoeuropa, Teresa Almeida, coordenadora do Programa Operacional Mar2020, Helena Gouveia, do Instituto de Soldadura e Qualidade, Carlos Damásio, investigador da Universidade Nova, Rui Flores, gestor agrícola, e Henrique Soares, diretor executivo da Hexastep.

No dia 11, a partir das 09h30, está em discussão o tema “Transformação Digital na Saúde”, moderado por Rui Neves Madeira, do IPS, com intervenções de Paulo Veiga, administrador da Empresa de Arquivo de Documentação, Patrícia Macedo, investigadora de projetos de inovação do IPS, Ana Londral, diretora da Value4Health, Pedro Viana, da Agência para a Modernização Administrativa, e Isabel Vaz, administradora da Luz Saúde.

Entre as 11h00 e as 13h00, o painel “Transformação Digital na Cidade”, moderado pelo adjunto da vereação da Câmara Municipal de Setúbal Nuno Marques, conta com intervenções de Ricardo Salgado, da Tekever Digital, do vereador com os pelouros da Educação e da Saúde da autarquia, Ricardo Oliveira, e do administrador da empresa KSTK, José Simões Veiga.

No período da tarde, entre as 14h30 e as 16h00, está em discussão a “Transformação Digital na Educação”, moderada pela presidente da Associação Nacional de Professores de Informática, Fernanda Ledesma. O painel tem como oradores os professores Paulo de Almeida, da Escola Secundária Fernando Casimiro Ferreira, Rui Lima, do Colégio Monte Flor, Maria do Rosário Rodrigues, do IPS, Teresa Cardoso, da Universidade Aberta, e Marco Neves, do Agrupamento de Escolas da Batalha.

A entrega de prémios dos concursos e torneios realizados ao longo dos dois dias da E-Tech decorre às 16h15, a que se segue a sessão de encerramento da conferência, às 17h00, com intervenções do vereador Ricardo Oliveira, do diretor da EDUGEP, António Gonçalves, da presidente da Associação Nacional de Professores de Informática, Fernanda Ledesma, do diretor-geral da Associação Industrial da Península de Setúbal, Nuno Maia, e da vice-presidente do IPS, Ângela Lemos.

A E-Tech Portugal contou, nas três edições anteriores, com mais de 16 mil visitantes, entre os quais cerca de 2650 alunos acompanhados de professores, mais de 600 participantes nos workshops, 150 no concurso de drones e torneios de jogos, 90 oradores conferencistas e perto de cinco centenas de pessoas nas conferências.

Um dos grandes objetivos da organização é a internacionalização do evento, de modo a captar cada vez mais expositores, apoios e oradores.