25 de Abril | Festival Internacional de Música de Setúbal - A Pomba da Paz é cheia de Revoluções Futuras

A capacidade inovadora e transformadora do Festival Internacional de Música de Setúbal, evento com características únicas no país, foi salientada no dia 12 de maio, no encerramento de mais uma edição, pela vice-presidente da Câmara Municipal, Carla Guerreiro.


“Este festival, que já vai na 12.ª edição, tem a capacidade importante de se reinventar. Em todas as edições somos sempre surpreendidos com algo novo. Não há apenas um replicar de iniciativas”, sublinhou a autarca, no encontro de encerramento do certame, realizado no Rooftop do Fórum Municipal Luísa Todi.

Carla Guerreiro considera que, “além do resultado, que todos apreciam”, com a realização dos espetáculos, um dos aspetos mais importantes no Festival Internacional de Música de Setúbal é “o processo de construção”, com o envolvimento dos alunos e da comunidade, que começa muito antes do produto final.

“A maior satisfação que temos é a felicidade dos nossos alunos. Isto é muito bonito e é a essência do que se quer para este festival: um festival inclusivo, em que as crianças se sintam uma parte importante.”

A vice-presidente do município agradeceu às escolas e instituições que participaram no evento, bem como aos parceiros, concretamente ao Helen Hamlyn Trust, que “muito tem feito por Setúbal”, e à A7M – Associação do Festival de Música de Setúbal.

“Sem a associação não era fácil organizar o festival. Esta parceria é muito importante e temos aqui um caminho muito bom para continuarmos. Confiamos muito no vosso trabalho”, assinalou.

Lady Helen Hamlyn, da fundação britânica orientada para a inclusão social de crianças e jovens, enalteceu a capacidade de inovação e o envolvimento das crianças no evento.

“Não consigo dizer-vos o quanto me sinto feliz por ver as incríveis melhorias que fizeram no festival. Também fiquei muito emocionada por ver tantas crianças envolvidas em todos os espetáculos.”

Lady Hamlyn felicitou todos os que ajudam a concretizar o Festival Internacional de Música de Setúbal, “em especial às crianças, mas também aos professores, que conseguem o milagre de juntar toda a gente e ajudam os alunos a integrar-se na comunidade”.

Para o diretor artístico, Bruno Martins, este é um “festival único” por “não se limitar a convidar artistas a realizar concertos”, mas proporcionar o encontro entre “grandes artistas que têm a sensibilidade para trabalhar com jovens, para os motivar e para os capacitar”.

A 12.ª edição terminou no dia 12 de maio com um concerto, no Fórum Municipal Luísa Todi, dedicado à temática do festival, “Ecos de Liberdade”, com a Orquestra Sinfónica do Festival Internacional de Música de Setúbal e a participação de alunos de todas as escolas parceiras do evento, dirigido pelo maestro Pablo Urbina.

A programação do último dia do certame contemplou ainda, no período da manhã, no Fórum Luísa Todi, dois espetáculos do projeto “Escrita Criativa de Canções”, com o envolvimento de alunos do 1.º ciclo, dirigido por Carlos Garrote e com Ariel Rodriguez, no teclado, Ale Damasceno, na bateria, e Ana Marques, no clarinete.

À tarde, o guitarrista croata Dejan Ivanovic, acompanhado do Ensemble de Guitarras do Festival Internacional de Música de Setúbal, protagonizou um concerto no auditório da Sociedade Filarmónica Perpétua Azeitonense, dirigido por Gonçalo Gomes Gouveia.

“Ecos da Liberdade” foi o tema do 12.º Festival Internacional de Música de Setúbal, organizado pela A7M – Associação do Festival de Música de Setúbal numa parceria da Helen Hamlyn Trust com a Câmara Municipal, integrado nas comemorações dos 50 Anos do 25 de Abril.

Ao longo de cinco dias, vários espaços do concelho receberam onze concertos de diversos estilos musicais em que participam mais de 1200 crianças e jovens lado a lado com artistas profissionais, dando origem a criações artísticas e performances musicais únicas e marcantes.

O Festival começou no dia 8 com o espetáculo “Harmonias de Liberdade: Zeca tocado por miúdos”, que juntou, no palco do Fórum Luísa Todi, o Conservatório Regional de Setúbal, a Academia de Dança Contemporânea de Setúbal, a Academia de Música de Almada e o Coral Infantil de Setúbal.

No dia 9, o Conservatório Regional de Setúbal apresentou, igualmente no Fórum Luísa Todi, o “Concerto Pedagógico: Carnaval dos Animais”, e à noite, na Igreja de Jesus, realizou-se o espetáculo “Música portuguesa para cordas”, com o Sexteto da Camerata Atlântica, o Conservatório Regional de Setúbal e a Academia de Música e Belas-Artes Luisa Todi.

O tradicional desfile de percussão, este ano com o tema “Batucada da Revolução”, com direção musical e coordenação de António Machado e Diogo Castro, voltou a animar as ruas da cidade, no dia 10, num percurso com início no Largo José Afonso e fim no Largo de Jesus, que contou com a participação de cerca de seis centenas de crianças do 1.º ciclo do ensino básico do concelho.

Também no dia 10, a Orquestra Criativa de Santa Maria da Feira, os ensembles de percussão e de saxofones do Conservatório Regional de Setúbal, o Coro Feminino TuttiEncantus, a Cerci Feira e a Cerci Lamas subiram ao palco do Fórum Municipal Luísa Todi, para apresentarem “A pomba da paz é cheia de revoluções futuras”.

Já no dia 11, apresentou-se em duas sessões, nos claustros do Convento de Jesus, o concerto “Escutar a diferença: a poesia está na rua”, com coordenação musical e musicoterapia de Ana Marques e criação, composição e direção musical de Aleksandar Zar, espetáculo em que participaram a APPACDM de Setúbal, a Academia de Música Luísa Todi e o Coral Infantil de Setúbal.

No mesmo dia, no período da tarde, o violoncelista britânico naturalizado brasileiro David Chew atuou no Salão Nobre dos Paços do Concelho e, à noite, o cantor e compositor português Miguel Araújo partilhou o palco do Fórum Municipal Luísa Todi com a Orquestra Ligeira do Conservatório Regional de Palmela.