17° Muito nublado
Fórum da Juventude | Freguesia de São Sebastião

Propostas para melhorar a qualidade de vida dos jovens do concelho estiveram em debate, no dia 30, nas freguesias de S. Sebastião e Azeitão, nas sessões que encerraram o ciclo de encontros descentralizados do Fórum da Juventude de Setúbal.


A criação de um centro de estudos comunitário e projetos para acompanhamento psicológico e vocacional dos estudantes foram ideias suscitadas pelas cerca de três dezenas de jovens que participaram na primeira das duas sessões, realizada dia 30 de manhã, na sede da Junta de Freguesia de S. Sebastião.

Segundo Pedro, 23 anos, uma das principais preocupações dos estudantes relaciona-se com a forma como podem melhorar o rendimento escolar, tendo em conta que nem todos têm condições financeiras para suportar o custo de explicações.

Nesse sentido, o estudante universitário lançou a ideia, bem acolhida pelos presentes, de criação de um centro de estudos comunitário, de participação gratuita.

“Seria um local de estudo e de entreajuda. A comunicação é mais eficaz se as explicações forem dadas por jovens a jovens e, assim, também é uma forma de inspirarem os outros a estudarem e a esforçarem-se.”

Carolina Nunes, uma das fundadoras da associação Feel4Planet, disponibiliza-se para ajudar nas explicações comunitárias, até porque, sublinhou, apesar de as escolas já proporcionarem aulas de apoio, “muitas vezes os jovens sentem vergonha de as frequentar” e esta pode ser uma forma de desbloquear esse sentimento.

A diretora regional de Lisboa e Vale do Tejo do Instituto Português da Juventude, Eduarda Marques, recordou um projeto semelhante existente no concelho de Almada, em que um grupo de estudantes da Faculdade de Ciências e Tecnologia dá explicações a crianças e jovens da comunidade.

“É um projeto muito positivo, pois o diálogo entre pares resulta sempre melhor.”

Outra questão que preocupa os jovens estudantes é a gestão da ansiedade, sobretudo quando têm de decidir a via de estudos a prosseguir no 10.º ano.

“É necessário um acompanhamento psicológico e vocacional mais eficaz para os jovens, pois há elevados níveis de stress quando há decisões a tomar. Em grupo, com outros jovens, penso que será mais fácil”, considerou Joana, estudante do 12.º ano na Escola Secundária D. Manuel Martins.

Sobre esta questão, a chefe da Divisão de Juventude da Câmara Municipal de Setúbal, Cátia Oliveira, revelou que está em preparação um projeto a realizar em 2020 destinado, precisamente, a “ajudar os jovens a lidar com a angústia de terem de escolher o caminho a seguir quanto terminam o 9.º ano”.

Essa mostra de cursos e formação vai dar a conhecer ofertas nas mais diversas áreas e permitir o contacto com instituições para ajudar no encaminhamento vocacional e profissional dos jovens.

Além das questões relacionadas com a vida estudantil, Carolina Nunes sublinhou a necessidade de incentivar o exercício da cidadania junto dos jovens.

“Na Feel4Planet, temos sentido dificuldade em chamar as pessoas até nós. Muitas vezes sentimo-nos tristes quando percebemos que são sempre os mesmos a participar nas nossas iniciativas. O que está a falhar?”

Para o presidente da Junta de Freguesia de São Sebastião, Nuno Costa, “os jovens têm de fazer ouvir a sua voz e dar opiniões para fazer valer os seus direitos”, através de uma maior participação cívica, por exemplo, por via das associações de estudantes.

Já o vereador da Câmara Municipal de Setúbal com o pelouro da Juventude, Pedro Pina, considera que esta questão se relaciona com um dos principais objetivos do novo modelo descentralizado do Fórum da Juventude.

“Decidimos realizar sessões em cada uma das cinco freguesias para trazer mais gente que habitualmente não participa. Este objetivo está cumprido.” 

O autarca sublinhou que a opinião dos jovens “é muito importante para governar melhor”, razão pela qual o município aposta na construção de uma relação estreita com os jovens através do incentivo à participação.

A realização do Fórum da Juventude de Setúbal é, segundo Pedro Pina, “uma forma de fazer política que incentiva os jovens a darem o seu contributo para enriquecer o trabalho desenvolvido pela autarquia”.

Na Biblioteca de Azeitão, onde decorreu, à tarde, a última sessão deste ciclo descentralizado do Fórum da Juventude de Setúbal pelas cinco freguesias do concelho, algumas das sugestões recolhidas passaram por pedidos de reforço do serviço público de transportes, variedade programática nas atividades orientadas para a população juvenil e a criação de mais equipamentos culturais e de lazer capazes de fixar os jovens nas vilas e aldeias azeitonenses.

Este encontro, que recebeu os contributos de mais de uma dezena de jovens, contou, igualmente, com as participações do vereador Pedro Pina e de técnicos da Câmara Municipal, assim como de um membro do Executivo da União das Freguesias de Azeitão, Bento Passinhas.

“Queremos ouvir-vos enquanto pessoas de plenos direitos. Conhecer o que vocês gostavam que aqui, em Azeitão, acontecesse ou mudasse, seja a nível de atividades, seja, até, a nível de estruturas de que sintam falta. Esta é uma oportunidade para nos apresentarem as vossas críticas e sugestões”, insistiu Pedro Pina.

O grupo de jovens, na maioria pertencentes ao Grupo 231 – Azeitão, dos Escoteiros de Portugal, apontou que a agenda de atividades pensada para a comunidade juvenil no concelho está, por vezes, algo centralizada na cidade de Setúbal.

A necessidade de reforço do serviço público de transportes em Azeitão foi apontada, com o chefe do Departamento de Cultura, Desporto, Direitos Sociais e Juventude, Luís Liberato, a esclarecer que a Câmara Municipal tem vindo a recolher, há dois anos, a opinião a população no concelho sobre esse serviço.

“O contrato com a atual operadora, a TST, está perto de terminar e a autarquia, antecipando o momento em que terá que lançar concurso para novo contrato, vai incluir todas as necessidades entretanto registadas, passando, assim, a serem consideradas serviço público. Certamente que nos próximos quatro anos o serviço de transportes coletivos vai melhorar”, destacou o dirigente.

A necessidade de criação de uma escola secundária em Azeitão foi também referida pelos jovens, com o vereador Pedro Pina a clarificar que a construção de equipamentos desta natureza é da competência do Governo.

“É uma reivindicação justa, mas que não está nas mãos da Câmara Municipal. Posso adiantar, porém, que a Câmara Municipal está consciente dessa lacuna e já realizou várias reuniões com o Ministério da Educação sobre o assunto.”

A chefe da Divisão de Juventude, Cátia Oliveira, sublinhou, na conclusão do encontro, que, apesar do término de ciclo de sessões descentralizadas do Fórum da Juventude, “o debate não acaba por aqui”, acrescentado que “este foi o primeiro passo para uma discussão que se quer que continue e que vai continuar com toda a certeza”.

A responsável adiantou que a Câmara Municipal vai dar continuidade mais regular ao Fórum da Juventude, com encontros que devem passar a ter uma periodicidade trimestral.

O ciclo de sessões do Fórum da Juventude realizou-se no âmbito do programa municipal m@rço.28, que comemora localmente, ao longo do mês de março, o Dia Nacional da Juventude.