22° Céu limpo
TST retoma carreiras

A empresa Transportes Sul do Tejo retomou, no dia 4, onze carreiras de autocarros, duas das quais fazem ligação direta entre Setúbal e a Gare do Oriente, Lisboa, pela Ponte Vasco da Gama.


Das onze carreiras rodoviárias repostas incluem-se as 562 e 563, que ligam Lisboa (Gare do Oriente) a Setúbal, e a número 565, que faz o percurso Lisboa (Gare do Oriente) – Palmela, informa a Área Metropolitana de Lisboa (AML), em comunicado.

As carreiras 333, Lisboa – Vale da Amoreira, 431, que circula entre Lisboa e o Montijo, 432, que liga Atalaia a Lisboa, 435, entre Lisboa e o Samouco, e 453, de Lisboa a São Francisco (Alcochete), todas com ligação direta à Gare do Oriente, são igualmente retomadas, acrescenta a AML.

As carreiras 302 (Baixa da Banheira – Fogueteiro), 326 (Palmela – Moita) e 416 (Canha – Montijo) completam o lote de onze carreiras repostas pela TST.

“Esta medida insere-se na gradual reposição da oferta de transportes públicos na Área Metropolitana de Lisboa, que será continuamente ajustada durante os próximos dias, em função do levantamento gradual das contingências inerentes à pandemia de Covid-19”, indica a AML.

Igualmente desde o dia 4, a entrada nos autocarros faz-se pela porta da frente e a validação de títulos volta a ser obrigatória.

Deste modo, os passageiros devem fazer-se acompanhar de título ou de passes de transporte válido, que podem ser adquiridos e carregados antecipadamente nas bilheteiras, agentes ou rede de caixas Multibanco. Não é possível comprar bilhetes no transporte.

Recorde-se que, com as novas regras ditadas pelo Governo respeitantes ao Estado de Calamidade, em vigor desde o dia 3, os transportes passam a ter a sua lotação limitada a 2/3 do máximo da capacidade.

Outra medida para evitar a propagação da pandemia é o uso obrigatório de máscara pelos passageiros.

A AML refere ainda que os operadores estão equipados com sistemas de bilhética sem contacto, que permitem a validação dos títulos sem necessidade de toque físico, e apela ao sentido cívico dos utentes, no sentido de serem cumpridas as normas distância física e social e de higiene individual preconizadas pela Direção-Geral da Saúde.