18° Possible Light Rain
Mafalda Guedes - Projeto HAchoco

Uma investigação académica inédita que valoriza o uso do osso do choco na indústria biomédica é apresentada numa palestra a realizar no dia 23 na Casa da Baía.


A sessão, do ciclo Mar à Conversa, com início às 14h30, promovida pela Câmara Municipal no âmbito das atividades lúdico-pedagógicas de Setúbal Terra de Peixe, conta com a participação de Mafalda Guedes, docente da Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico de Setúbal.

A investigadora apresenta ao público o projeto HAchoco, no qual o osso do choco, resíduo biológico particularmente rico em carbonato de cálcio, é transformado, por meio de um processo químico, no cerâmico hidroxiapatite, muito utilizado na indústria biomédica.

Este projeto, de aplicação da tecnologia de fabrico por moagem reativa, mostra que com um osso de choco, que pesa cerca de dez gramas, é possível fabricar quatro gramas de hidroxiopatite.

Professora de Materiais para Aeronáutica, Biomateriais e Materiais e Reciclagem, Mafalda Guedes lidera este estudo científico, a decorrer há mais de dois anos, com o envolvimento e a colaboração de alunos no âmbito da licenciatura de Engenharia Biomédica do Instituto Politécnico de Setúbal.

Esta palestra do Mar à Conversa, dinamizada com os apoios da Docapesca e da Makro, é de participação gratuita, mediante inscrição prévia, a qual deve ser feita presencialmente, pelo telefone 265 541 500 ou pelo endereço eletrónico gape@mun-setubal.pt.