17° Muito nublado
Edição Especial 2020 da Volta a Portugal em Bicicleta | Setúbal

O português António Carvalho, da Efapel, venceu no dia 4, ao sprint, em Setúbal, a última etapa em linha da Edição Especial 2020 da Volta a Portugal em Bicicleta, prova nacional de ciclismo que termina no dia 5.


António Carvalho foi o mais forte na chegada à meta instalada na Avenida Luísa Todi, defronte do Largo José Afonso, batendo ao sprint Luís Fernandes, da Radio Popular/Boavista, para terminar os 161 quilómetros da etapa entre Loures e Setúbal com o tempo de 03h40m45s.

Os dois corredores fizeram toda a subida da Serra da Arrábida na dianteira, desceram na frente e resistiram à perseguição do pelotão. Luís Fernandes conseguiu-se adiantar-se na fase final do percurso, mas António Carvalho atacou no momento certo para a vitória.

“Somos uma equipa de ataque. Eu era a aposta para hoje, mas, à entrada da montanha, quando ‘avariei’, temi que tivesse deitado tudo a perder. Felizmente, acabei por vencer e dedico esta vitória à minha família e a toda a equipa”, afirmou António Carvalho.

O vencedor da penúltima etapa da Edição Especial 2020 da Volta a Portugal em Bicicleta recebeu o prémio das mãos da presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Maria das Dores Meira, que destacou a importância da realização desta prova em tempos conturbados.

“É uma festa bonita, do desporto e em particular do ciclismo. É, também, um exemplo de que a vida tem de continuar, resguardando a saúde individual e coletiva, e cumprindo sempre com aquilo que são as orientações da Direção-Geral da Saúde”, destacou a autarca.

Apesar dos constrangimentos motivados pela crise sanitária, a festa do ciclismo, em particular a etapa Loures-Setúbal, organizada com o apoio da Câmara Municipal de Setúbal, atraiu muitos entusiastas, que apoiaram os ciclistas em vários pontos do percurso.

Maria das Dores Meira frisou ainda que a passagem da Volta a Portugal em Bicicleta por Setúbal “constitui uma forma de dar mais protagonismo à cidade e à região”. Por isso, vincou, a competição nacional de ciclismo regressa a Setúbal no próximo ano, com a 82.ª edição da prova.

Amaro Antunes, da W52/Futebol Clube do Porto, que em Setúbal terminou no nono lugar, manteve a camisola amarela e, no dia 5, em Lisboa, ataca os 17,7 quilómetros do contrarrelógio individual com 13 segundos de vantagem sobre Frederico Figueiredo, da Atum General/Tavira/Maria Nova Hotel.

No final da etapa de Setúbal foram ainda consagrados Luís Gomes, da equipa Kelly-Simoldes-UDO, que recuperou a camisola vermelha, ou seja, a liderança da prova por pontos, enquanto Hugo Nunes, da Radio Popular/Boavista, foi coroado “rei da montanha” com a camisola branca e vermelha.

Destaque, ainda, para Simon Carr, da Nippo Delko Provence, ao conquistar a camisola branca, correspondente ao melhor atleta jovem em prova, prémio que foi entregue pelo vereador com o pelouro do Desporto na Câmara Municipal de Setúbal, Pedro Pina.

A Edição Especial 2020 da Volta a Portugal em Bicicleta, com um total de 1183,9 quilómetros, começou a 27 de setembro com um prólogo de sete quilómetros em Fafe, a que se seguiu, no dia seguinte, a primeira etapa entre Montalegre e Viana do Castelo, com 180 quilómetros.

Em setembro decorreram ainda mais duas etapas. A primeira, a 29, ligou Paredes à Senhora da Graça, num percurso com 167 quilómetros, enquanto a 30 foi a vez de um trajeto entre Felgueiras e Viseu, num total de 171,9 quilómetros.

A quarta etapa decorreu a 1 de outubro, com 148 quilómetros, entre a Guarda e a Covilhã, a que seguiu, a 2, um percurso entre Oliveira do Hospital e Águeda, com 176,3 quilómetros, e, a 3, um trajeto entre Caldas da Rainha e Torres Vedras, com 155 quilómetros

Depois da última etapa em linha entre Loures e Setúbal, com 161 quilómetros, a Edição Especial 2020 da Volta a Portugal em Bicicleta, segue para Lisboa, onde termina, no dia 5 de outubro, feriado nacional, com um contrarrelógio individual de 17,7 quilómetros entre a Ribeira das Naus e a Praça do Comércio.

A crise sanitária motivada pela pandemia de Covid-19 obrigou a reformular o habitual formato da Volta a Portugal em Bicicleta e, em vez da 82.ª edição da prova, realizou-se uma edição especial, organizada pela Federação Portuguesa de Ciclismo.