Estrada condicionada

A construção de uma nova rotunda motiva o condicionamento ao trânsito automóvel numa interseção da Avenida dos Ciprestes, a partir do dia 29 de março, por um período previsível de dois meses.

A primeira fase de obras de construção de uma rotunda definitiva motiva condicionamentos ao trânsito automóvel na Avenida dos Ciprestes, concretamente na zona de interseção com a Azinhaga de São Joaquim e a Rua das Galroas, que, durante o decorrer dos trabalhos, apresenta estreitamento de via nos dois sentidos.

Entre as restrições aplicadas, destaca-se ainda o corte de trânsito na Azinhaga de São Joaquim.

Em alternativa, os automobilistas devem circular pelas avenidas Dr. António Rodrigues Manito e Dr. António Manuel Gamito, Avenida Europa e rotunda de ligação à Avenida Independência das Colónias.

Durante o encerramento da Azinhaga de São Joaquim, o acesso aos moradores fica, no entanto, salvaguardado.

A construção desta nova rotunda, que, até ao momento, estava apenas identificada com perfis de plástico e sinalização vertical, insere-se no Ciclop7 – Rede Ciclável e Pedonal da Península de Setúbal, um dos projetos intermunicipais da marca Território Arrábida.

Este projeto está inserido numa lógica de promoção dos modos suaves de deslocação e de ligações de curta distância nos espaços urbanos e seus contextos periurbanos, promovendo a intermodalidade, a utilização da bicicleta e a adoção do percurso pedonal nas deslocações quotidianas da população.

No caso de Setúbal, esta ação, um investimento global de 413 mil e 101,26 euros, comparticipado em 206 mil e 550,53 euros, correspondente a 50 por cento do valor total elegível a financiamento, engloba o reperfilamento das avenidas Manuel Maria de Portela e dos Ciprestes.

O Ciclop7 concretiza uma mais ampla ligação entre as redes principais cicláveis dos municípios de Setúbal, Palmela e Sesimbra, de forma a permitir o acesso aos destinos pretendidos em todo o território peninsular.

Este projeto, um investimento global da ordem dos quatro milhões de euros, que no território dos municípios da Arrábida abrange 17 troços, com um total de cerca de 27 quilómetros, procura ainda promover as ligações intermunicipais em modos suaves de mobilidade, mais ecológicos e inclusivos.