13° Parcialmente nublado
Conferência Anual de Educação

A V Conferência Anual de Educação reuniu em Setúbal, no dia 11 de setembro de 2019, profissionais, técnicos e académicos que partilharam experiências e visões que podem marcar a diferença por um sistema de ensino melhor, não só no concelho sadino, como no panorama geral do país.

Estão disponíveis para descarga e consulta documentos com cada uma das diferentes intervenções dos oradores convidados, inclusivamente, da presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Maria das Dores Meira, na sessão de abertura do encontro, e do vereador da Educação, Ricardo Oliveira, na sessão de encerramento.

Executivo Municipal

Maria das Dores Meira

Maria das Dores Meira

Presidente da Câmara Municipal de Setúbal

Discurso de abertura

Exma. Sra. presidente Conselho Nacional de Educação, Dra. Maria Emília Brederode dos Santos,
Exmos. Srs. vereadores e presidentes de Juntas de Freguesia do Município de Setúbal,
Exmos. Srs. autarcas,
Digníssima Comissão Científica constituída pela Dra. Ângela Lemos, Dra. Gina Lemos e Dra. Ana Costa,
Exmos. Srs. e Sras. conferencistas, oradores e moderadoras,
Exmos. Srs. e Sras. docentes, não docentes, técnicos, representantes de associações de pais,
Senhoras e senhores,
Quero, em primeiro lugar, dar a todos as boas-vindas a esta V Conferência Anual de Educação promovida pela Câmara Municipal de Setúbal e que, nesta edição, tem como tema “Educar na cidade, a cidade que educa”.

Para nós é sempre uma alegria e uma honra receber na nossa cidade tão importante e qualificado grupo de gente ligada ao processo educativo que aqui vem pensar e debater em conjunto.

Com esta conferência quisemos criar um espaço anual de encontro, reflexão e capacitação da comunidade educativa onde, com a ajuda de especialistas das ciências da educação e com o intercâmbio de experiências locais, nacionais e internacionais, procuramos novos caminhos e definimos ações concretas e adaptadas às especificidades do território.

Importa salientar que esta iniciativa resulta também da candidatura “Setúbal, um mundo de desafios”, no âmbito do POR Lisboa PT 2020 medida 10.1 – Planos Inovadores de Combate ao Insucesso Escolar.

Se faço esta referência é porque quero destacar — num momento em que se transformou em tema de aceso debate a questão da distribuição dos fundos comunitários para a nossa península — que aqui, em Setúbal, temos sido um dos municípios que mais candidaturas tem apresentado a estes fundos, além de sermos um dos concelhos da Área Metropolitana de Lisboa com maior taxa de execução destes dinheiros.

Estamos plenamente de acordo com a necessidade de alterar e aumentar a distribuição dos fundos europeus pelos municípios da península, mas esta não é uma posição que resulte de mero interesse eleitoral. É uma posição assumida há anos na qual temos, coerentemente, insistido e na qual, aliás, continuaremos a insistir.

Esta conferência anual de educação é, afinal de contas, a concretização dos objetivos programáticos que estabelecemos para o presente mandato autárquico, enquadrados nos princípios da Carta das Cidades Educadoras, nos princípios da Rede Global de Cidades de Aprendizagem da UNESCO e nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável 2030.

Significa isto que entendemos a cidade enquanto espaço educativo onde se educa através de projetos e atividades, seja nas áreas da cultura, participação, ambiente, património ou da juventude, entre muitas outras.

Um espaço educativo que resulta do investimento em equipamentos culturais, desportivos, escolares, sociais ou da recuperação do património, entendido também como identidade e memória e preservação do ambiente.

Que resulta de investimentos em espaços de lazer e na melhoria dos serviços públicos.

O que procuramos edificar é uma cidade que possa igualmente ser utilizada como recurso educativo ao serviço das escolas, das famílias e de toda comunidade.

Esta é a cidade que educa todos e todas e onde todos e todas têm um compromisso com a educação e, naturalmente, uma função educadora.

Acreditamos que, assim, é possível crescer com autonomia, sentido de pertença e sentido cívico.

Embora na sociedade portuguesa a cidade e os centros urbanos sejam muitas vezes confundidos com o seu Poder Local, a verdade é que são muito mais do que isso.

A cidade somos todos, porque todos somos seus construtores.

Em Setúbal temos enorme orgulho de construir diariamente Mais e Melhor Cidade, temos orgulho nos variadíssimos projetos e atividades que fazem de nós uma cidade educadora.

Permitam que vos fale das nossas atividades náuticas ou da pista de atletismo utilizada como recurso educativo, das escolas de natação, no programa Desportivamente em Reforma ou no GoArrábida, equipamento municipal que favorece a descoberta da nossa serra.

Encaramos também como espaço de excelência para o desenvolvimento do processo educativo a Biblioteca, onde promovemos o Clube de Leitura de Verão, os nossos museus, o Festival de Música de Setúbal, que tem forte envolvimento das nossas escolas e de toda a comunidade escolar, a Festa da Ilustração, o Festival de Teatro ou a programação da nossa Casa da Cultura.

E depois temos programas como o “Setúbal Mais Bonita”, que envolve a comunidade educativa em ações de melhoria do ambiente urbano, ou o “Nosso Bairro, Nossa Cidade”, programa de participação cidadã dos moradores dos bairros de habitação pública municipal no qual são desenvolvidas várias ações de Estudo Acompanhado.

Importa ainda destacar a integração do nosso município, em julho passado, na Rede Global de Cidades de Aprendizagem da UNESCO e a nossa participação na Associação Internacional das Cidades Educadoras desde 2012.

Termino insistindo nas boas-vindas que vos dei há pouco.

As boas-vindas a esta conferência, mas, acima de tudo, as boas-vindas à nossa cidade, com o desejo de que possam ter ainda tempo para desfrutar algo do muito de bom que aqui temos para oferecer.

Finalmente, desejo a todos um bom trabalho e que daqui possam levar novas experiências e novos ensinamentos para aplicar nas vossas vidas profissionais.

A todos e a todas, muito obrigada por aqui estarem.

Ricardo Oliveira

Ricardo Oliveira

Vereador da Educação

Discurso de encerramento

Exmas. Sras. e Exmos. Srs.,

Estamos a concluir a V Conferência Anual de Educação. Foi um dia de trabalho intenso, de muito debate e reflexão, de partilha de experiências e boas práticas, de aprendizagem permanente.

Sendo Setúbal uma Cidade Educadora e, mais recentemente, membro de pleno direito da Rede das Cidades de Aprendizagem da UNESCO, a participação, a valorização das relações sociais e do espaço urbano, os valores da inclusão, da tolerância e da Democracia, a curiosidade pela descoberta do que é novo e diferente, a promoção de hábitos de vida saudáveis, a promoção de memória, das memórias, da identidade e das identidades locais, a promoção do acesso à escolaridade e à formação, a defesa e promoção da escola pública e a valorização das gentes que estão ou passam por Setúbal, independentemente da idade, sexo, das convicções políticas e filosóficas, das crenças religiosas, são princípios que norteiam a ação e construção da nossa cidade.

Por essa razão, propusemos como tema desta V Conferência “Educar na Cidade, a Cidade que Educa”. Por essa razão, decidimos desafiar os diversos serviços da Câmara Municipal de Setúbal, as escolas, a comunidade educativa, a academia e as diversas organizações sociais a apresentarem as suas experiências, o seu trabalho e a sua contribuição para a construção da Cidade Educadora que ambicionamos.

 

Poderemos afirmar que esta Conferência teve início há quase um ano. De novembro de 2018 a março de 2019 visitámos turmas das escolas do nosso concelho. Turmas do 3.º e 4.º anos, do 7.º, do 9.º e do 12.º anos. Visitámos turmas de todos os agrupamentos de escolas do concelho. Essas visitas tiveram como objetivo discutir a nossa cidade de Setúbal enquanto Cidade Educadora.

Propusemos que nos indicassem o que gostavam e não gostavam na nossa cidade, o que propunham, o que gostavam de ver na nossa cidade.

A cidade que contém a escola e todos os espaços escolares, as ruas e os bairros e o todo, o Rio, a Serra, o Mar, os campos, as aldeias e lugares, os núcleos urbanos, as vilas e a cidade.

Falaram das condições das salas de aula, do material que têm e do que gostariam de ter; das aulas que gostariam de ter, na escola e fora dela; do desporto que gostariam de praticar; do tempo que gostariam de conviver com as respetivas famílias, do tempo de trabalho dos pais; do apoio que gostariam que fosse dado aos seus avós e da qualidade de vida que todos merecem;

dos espaços verdes e de lazer e da higiene urbana; dos transportes públicos que são insuficientes; da proteção da natureza e da biodiversidade, do Sado e da Arrábida e do medo que a intervenção humana destrua ou comprometa a riqueza natural com que fomos brindados; da abolição de barreiras sociais, de classe e rendimentos, das barreiras arquitetónicas; dos passeios, das passadeiras e da reabilitação dos centros históricos; dos medos e das armadilhas que a vida e a nossa organização económica e social nos impõem; falaram das injustiças que ambicionam, que ambicionamos abolir.

Falaram do desejo e do amor de viver, de viver na nossa cidade, da cidade onde nasceram ou para onde a sorte os trouxe.

 

Caros amigos (deixemo-nos de formalismos),

Esta árvore de opiniões e propostas, que muito resumidamente vos apresentei, corresponde à ambição, à visão que as crianças e os jovens de Setúbal têm da sua cidade educadora.

Hoje tivemos os contributos de professores, de pedagogos, de escolas, de investigadores, de engenheiros e arquitetos, dos auxiliares, das famílias, das associações, de grupos de moradores, dos serviços do município e até de vizinhos para a construção da nossa cidade, das nossas cidades – espaços e territórios construídos pelas pessoas, pelas relações entre as pessoas e entre espaços, pela geografia e pela natureza, pelo tempo histórico, pela memória e pela ambição de futuro.

Num momento em que se discute muito do futuro do nosso país, em que diferentes perspetivas e propostas se apresentam à escolha e decisão popular, demonstrámos que em Setúbal, independentemente do calendário político e eleitoral e da agenda mediática, de forma construtiva e empenhada, na diferença e diversidade de opiniões e referências sociais, culturais e políticas, procuramos construir a nossa Cidade.

 

Neste momento de encerramento, e antes de enunciar os devidos agradecimentos a todos os que tornaram possível esta V Conferência, partilharei convosco alguns dos contributos ou momentos mais significativos que marcaram o ano que passou e que irão marcar este que agora se inicia.

Concluímos a terceira fase do programa de investimento e requalificação das nossas escolas.

Eliminámos todos os riscos que as coberturas de fibrocimento, com amianto, representavam para as crianças do pré-escolar e do 1.º ciclo das escolas públicas do nosso concelho. Melhorámos equipamentos, salas de aula, cozinhas, sanitários, espaços exteriores e acessibilidades. Equipámos salas de aula e investimos em equipamentos tecnológicos. Investimos na eficiência energética, no conforto térmico e na diminuição da pegada ecológica das escolas. Promovemos boas práticas ambientais e sociais. Implementámos o Selo Verde, também nas escolas.

Promovemos e apoiámos atividades complementares ao processo educativo. Promovemos o acesso à criação e fruição culturais. Promovemos a prática desportiva e hábitos de vida saudáveis. Promovemos a mobilidade e a utilização de transportes públicos coletivos. Promovemos e apoiámos o debate, a troca de experiências e a participação estudantil e de toda a comunidade educativa.

Aderimos à Rede das Cidades de Aprendizagem da UNESCO e comprometemo-nos com o significado dessa adesão.

Iremos prosseguir este trabalho, ainda com mais empenho e atentos. Iremos prosseguir o investimento na qualidade e conforto das escolas, no acesso às novas tecnologias, na promoção de práticas e experiências educativas, tanto em ambiente escolar como fora dele. Iremos promover as acessibilidades às escolas e a segurança dos percursos. Iremos prosseguir o envolvimento da cidade, dos espaços e dos recursos municipais e do território na formação e educação da nossa população, no envolvimento de toda a comunidade educativa.

Rejeitámos competências que não vinham acompanhadas de meios e recursos adequados e necessários. Estamos e estaremos disponíveis para melhorar, contribuir e encontrar soluções adequadas para assegurar as condições de estudo e formação das crianças e jovens do nosso concelho. Para a necessidade da requalificação da Escola Secundária de Bocage, para a requalificação das Escolas Básicas de Azeitão, de Bocage, da Aranguez, para a eliminação dos riscos do amianto na Aranguez e na D. Manuel Martins e para a construção dos pavilhões gimnodesportivos da Escola Básica de Azeitão e da Secundária D. Manuel Martins.

 

Por fim, gostaria de agradecer a presença e até a paciência de todos os que participaram nos debates, na partilha de experiências e de boas práticas, nas comunicações. Ao Agrupamento de Escolas Ordem de Santiago e à Academia de Música e Belas-Artes Luísa Todi agradecemos a vossa criatividade e disponibilidade para enriquecer a abertura desta Conferência. À Escola de Hotelaria e Turismo de Setúbal obrigado pela permanente disponibilidade para acolher a Conferência. Ao Fórum Municipal Luísa Todi e aos seus trabalhadores, obrigado pela paciência e competência demonstrada.

Aos restantes trabalhadores da Câmara Municipal de Setúbal, da cultura, da comunicação, do protocolo, a todos os envolvidos, e em especial aos trabalhadores do Departamento de Educação e Saúde obrigado pela vossa disponibilidade e empenho. À Sara que desde o ano passado está connosco e nos ajuda a tornar as coisas simples, muito obrigado!

Ao António Caetano, à Fernanda Oliveira, ao Pedro Florêncio, à Clara Félix, ao Ramiro Sousa, ao António Batista e à Adelaide Fernandes obrigado pela moderação dos painéis de apresentação das experiências.

Gostaria de agradecer ao Miquel Àngel, ao Frederico Lopes, à Gina Lemos, ao Miguel Madeira e ao Ricardo Santos que connosco partilharam a Mesa Redonda desta manhã.

Gostaria de agradecer à Ana Costa e à Ângela Lemos que, com a Gina Lemos, se disponibilizaram para constituir a Comissão Científica da Conferência.

À Maria Emília Brederode dos Santos que, comigo e a Ana Costa partilha este encerramento, muito obrigado! É e será sempre muito bem-vinda a Setúbal e ao seu Portinho.

Gostaria de agradecer a presença de um membro do Governo com a pasta da Educação, mas tal não é possível. O calendário letivo e os vários compromissos de agenda e eleitorais não permitiram a presença que gostaríamos de ter tido. Mas, façamos justiça, presença que sabemos ser desejada pelos próprios.

 

Obrigado a todos e até para o ano, na VI Conferência Anual de Educação!

Intervenções (resumos)

Frederico Lopes

Frederico Lopes

Investigador da Faculdade de Motricidade Humana, Universidade de Lisboa

Curriculum

  • Licenciado em Psicologia, mestre em Educação Social e Intervenção Comunitária e doutorado em Motricidade Humana, pela Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa
  • Enquanto investigador debruça-se sobre as áreas do Desenvolvimento Motor Infantil, Psicologia Ambiental, Sociologia de Infância e Planeamento Urbano
  • Desempenha funções de gestor, consultor e dinamizador de oficinas participativas para a reabilitação e criação de espaços de jogo e de recreio
  • Formador nas temáticas do jogo e da participação infantil
  • Brinconauta e cofundador do “1,2,3, Macaquinho do Xinês”, uma associação sem fins lucrativos, cuja missão é a defesa do direito 31.º da Convenção dos Direitos da Criança e a promoção de espaços e oportunidades desafiantes para as crianças brincarem livremente nos diferentes contextos do seu quotidiano, de acordo com os princípios e prática do Playwork
  • Gosta de passar tempo em família e com amigos, usufruir dos espaços verdes, e de escrever canções, cantar e tocar guitarra.

Gina Lemos

Gina Lemos

Centro de Investigação em Educação, Univ. do Minho | Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Setúbal

Curriculum

Como muitos Setubalenses de coração, nasceu em Lisboa, mas cresceu e faz-se crescer na cidade que a viu menina nos saraus do Vitória.

Aluna tímida e empenhada, fez as primeiras aprendizagens nos Pirilampos e no Jardim de Infância de Setúbal, dividindo o ensino primário entre Águas de Moura, Vila Fresca de Azeitão e a cidade de Setúbal. Seguiu para o ciclo e, na secundária de Bocage, encontrou o amor da sua vida.

Foi a quatrocentos quilómetros, em Braga, que fez a licenciatura em Psicologia e o doutoramento em Psicologia da Educação, na Universidade do Minho. É investigadora em pós-doutoramento no Centro de Investigação em Educação daquela instituição e há 17 anos que estuda habilidades cognitivas como a compreensão, o raciocínio e a resolução de problemas, de crianças e jovens a frequentar o nosso ensino básico e secundário.

Neste âmbito, trabalha ainda na construção, validação e aferição de instrumentos de avaliação cognitiva. É autora da Bateria de Aptidões Cognitivas (BAC; Lemos & Almeida, 2015) e coautora da Bateria de Provas de Raciocínio (BPR; Almeida & Lemos, 2009).

O seu mais recente projeto científico, de dimensão nacional (continente e ilhas), é dedicado ao fenómeno da diferenciação cognitiva e a fatores pessoais e contextuais que podem contribuir para o sucesso académico em adolescentes portugueses, contando com o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia.

Desenvolve trabalhos e participa em estudos com colegas do Brasil, Moçambique, Espanha, Holanda e Reino Unido, publicados em revistas especializadas.

Como docente partilha, com entusiasmo, conhecimento e práticas nos domínios que são a sua aposta: Psicologia da Educação, Educação Inclusiva, Avaliação Cognitiva e Metodologias de Investigação.

Colabora na formação pós-graduada e na formação contínua de professores pela Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal, com particular foco em temas como a Educação Inclusiva, a Diferenciação Pedagógica e o Trabalho Colaborativo.

Corre o país e voa sem fronteiras por motivos profissionais, mas é aqui, em Setúbal, que escolhe ficar e fazer crescer a sua família. Aqui, onde bate o coração, é a sua casa.

José Miguel Madeira

José Miguel Madeira

Chefe da Divisão de Mobilidade e Transportes, Câmara Municipal de Setúbal

Curriculum

  • Licenciado em Engenharia Civil pelo Instituto Superior Técnico, no ramo de Planeamento Territorial e Transportes
  • Responsável pela Divisão de Planeamento Urbanístico da Câmara Municipal de Setúbal até 2018
  • Atualmente é chefe de Divisão de Mobilidade e Transportes da Câmara Municipal de Setúbal
  • Conselheiro do Conselho Municipal de Segurança de Setúbal
  • Responsável pela implementação do Plano de Mobilidade Sustentável e Transportes do Município de Setúbal
  • Orador convidado em diversos encontros sobre mobilidade urbana e gestão do espaço público, como o PORTUGAL MOBI SUMMIT
  • Participante no CIVITAS-UP-SUMP Learning Programme
  • Membro da Comissão Municipal Valpraias, responsável pela implementação do programa “Arrábida Sem Carros”
  • Acérrimo defensor da recuperação do espaço público para a utilização e fruição das pessoas, através da promoção dos modos suaves
  • Adora o mar, andar de bicicleta e fazer programas bem-dispostos com as suas filhas, de preferência acompanhado por uma boa comida e não só

Miquel Àngel Essomba

Miquel Àngel Essomba

Doutorado em Pedagogia | Professor na Universidade Autónoma de Barcelona

Curriculum

n. Barcelona, Espanha, 1971

Na sua formação académica consta um doutoramento em Pedagogia pela Universidade Autónoma de Barcelona (UAB), um mestrado em Psicologia da Educação pela mesma universidade e também uma pós-graduação em Pedagogia Intercultural e uma licenciatura em Filosofia e Letras.

Em termos profissionais, na atualidade, exerce os cargos de professor associado no Departamento de Pedagogia Aplicada da Universidade Autónoma de Barcelona e de diretor da cátedra de investigação em educação comunitária. Também dirige o grupo de investigação ERDISC (Equipa de Investigação sobre Diversidade e Inclusão em Sociedades Complexas).

Tem desenvolvido uma intensa atividade política e social, da qual destacamos a direção do Centro UNESCO da Catalunha (2008-2012), a direção da rede SIRIUS da Comissão Europeia sobre políticas educativas e imigração (2012-2015) ou o cargo de comissário de educação da Câmara de Barcelona 82015-2019).

Outros oradores participantes

Ana Costa

Ana Costa

Professora na Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Setúbal

Curriculum

  • Professora-adjunta na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal (ESE-IPS)
  • Integra o Centro de Linguística da Universidade de Lisboa (setor Dialetologia e Diacronia)
  • Colabora com o Centro de Investigação, Educação e Formação da ESE-IPS
  • Licenciatura em Línguas e Literaturas Modernas – Estudos Portugueses e Espanhóis (1994) e Ramo de Formação Educacional (1996), na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
  • Doutorou-se em Linguística, na especialidade de Linguística Educacional, com a dissertação “Estruturas contrastivas: desenvolvimento do conhecimento explícito e da competência de escrita”, apresentada à Universidade de Lisboa (2010)
  • Entre 2012 e 2015, integrou, como bolseira de pós-doutoramento, a equipa do Post Scriptum: Arquivo digital da escrita quotidiana em Portugal e Espanha na época moderna, projeto do Centro de Linguística da Universidade de Lisboa, financiado pelo European Research Council (7FP/ERC Advanced Grant ­ GA 295562)
  • Professora do ensino básico e secundário (1997 a 2012), sendo professora do quadro de nomeação definitiva do Agrupamento de Escolas Lima de Freitas (Setúbal)
  • Desempenhou funções docentes no ensino secundário requisitada no Ramo de Formação Educacional da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa(2000 a 2007)
  • Colaborou com o Gabinete de Avaliação Educacional
  • Atualmente, na sua atividade docente, dedica-se à formação de educadores e de professores do ensino básico, lecionando unidades curriculares da área da Didática da Língua e da Linguística
  • Entre as atividades de formação contínua de professores, destaca-se a participação em várias ações na área das didáticas específicas, da avaliação educacional e da pedagogia no ensino superior
  • É membro do Conselho Técnico-Científico da ESE-IPS e cocoordenadora da Licenciatura em Educação Básica

Ângela Lemos

Ângela Lemos

Instituto Politécnico de Setúbal

Curriculum

  • Professora adjunta da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal (ESE/IPS) desde 1998
  • Bacharel em Educação de Infância (1990)
  • Licenciada em Psicologia (2000)
  • Mestre em Ciências da Educação (2005)
  • Doutorada em Educação (2015)
  • Vice-presidente do Instituto Politécnico de Setúbal desde 2018
  • Tem vasta experiência no apoio e acompanhamento de estágios em educação de infância, nomeadamente em educação pré-escolar
  • Os seus interesses centram-se na compreensão das práticas pedagógicas das educadoras de infância em contextos educação de infância

Maria Emília Brederode Santos

Maria Emília Brederode Santos

Presidente do Conselho Nacional de Educação

Curriculum

  • Presidente do Conselho Nacional de Educação, eleita pela Assembleia da República em novembro de 2017
  • Técnica superior do Ministério da Educação, foi presidente do Instituto de Inovação Educacional, de 1997 a 2002, e representante do Ministério da Educação na Comissão Nacional para a Educação em matéria de Direitos Humanos (Comissão Nacional para a Celebração do 50.º Aniversário da Declaração Universal dos Direitos do Homem e da Década das Nações Unidas para a Educação dos Direitos Humanos), de 1998 a 2004
  • Foi membro da Comissão Instaladora da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal e presidente do seu Conselho Científico. Foi Presidente do Conselho Geral do Instituto Politécnico de Setúbal até novembro de 2017
  • Membro do Conselho de Opinião da RTP e colabora em vários grupos informais, como o grupo Inquietações Pedagógicas (página mensal no Jornal de Letras, blog, Facebook) e o GIELM  (Grupo Informal de Educação para a Literacia Mediática)
  • Mestre em Análise Social da Educação pela Boston University, E.U.A., e licenciada em Ciências da Educação pelo Institut de Psychologie et des Sciences de l’ Education, da Universidade de Genebra, onde também lecionou

Ricardo Santos

Ricardo Santos

Jornalista

Curriculum

Ricardo Santos é jornalista e editor da revista Volta ao Mundo, bem como um dos apresentadores do programa de televisão da VM na RTP. É um daqueles sortudos que consegue conciliar trabalho e prazer. Começou no semanário O Independente e esteve na revista Grande Reportagem antes de se dedicar ao mundo das viagens. Viaja sozinho e acompanhado desde os 10 anos, tem família em três continentes e não há fuso horário que o impeça de ter notícias do Benfica.

Programa

Programa da conferência | Fórum Luísa Todi | Clique na imagem para consultar
V Conferência Anual de Educação | Programa | Escola de Hotelaria
Programa de atividades | Escola de Hotelaria | Clique na imagem para consultar