14° Céu limpo
Visita do bastonário da Ordem dos Médicos ao Hospital de São Bernardo

A necessidade de um reforço de recursos humanos e de uma coordenação global entre hospitais de forma a aliviar a pressão no Hospital de São Bernardo foi destacada no final de uma visita realizada no dia 2 ao estabelecimento de saúde.


O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, mostrou-se preocupado com a sobrecarga que o Hospital de São Bernardo está a sentir devido à pandemia de Covid-19, com registo de 950 por cento de ocupação de camas dos cuidados intensivos. Para o responsável, é urgente uma coordenação com os hospitais regionais do país.

“Está na altura de existir uma coordenação regional e nacional na gestão crítica de camas de internamento e de camas de cuidados intensivos e na gestão crítica de cuidados a doentes não-Covid, que também são urgentes, e que estão nas enfermarias”, apontou Miguel Guimarães em conferência de imprensa realizada no âmbito de um ciclo de visitas que está a efetuar aos equipamentos hospitalares públicos do país.

O Hospital de São Bernardo, que ativou a 11 de janeiro o plano de contingência máximo, o que equivale a situação de catástrofe, “está a precisar urgentemente de ajuda externa e tem de ser olhado de forma diferente pela tutela”, salientou.

O bastonário da Ordem dos Médicos indicou que “não há nenhum hospital do país que neste momento não tenha pressão”, mas em Setúbal, sublinhou, “a pressão já ultrapassou o limite do que é aceitável, enquanto noutros hospitais não” e por isso vincou a importância de “reforçar os recursos humanos”.

A presidente da Câmara Municipal de Setúbal, igualmente presidente da Comissão Distrital de Proteção Civil de Setúbal, Maria das Dores Meira, alinhou na mesma linha de pensamento, ao afirmar, no encontro com os jornalistas, que “não há profissionais suficientes”, referindo a necessidade de o Hospital de São Bernardo “ser atendido com toda a urgência”.

No atual quadro de pandemia, a autarca frisou que o município tem garantido diversos apoios ao Centro Hospitalar de Setúbal, exemplificando a cedência de dois contentores climatizados para reforçar a capacidade da zona de espera da Área Dedicada à Covid-19 no interior do próprio hospital.

Realçou ainda a importância, no alívio das unidades de saúde, do Centro de Diagnóstico Laboratorial à Covid-19 e Atendimento a Doentes Respiratórios, unidade instalada, por requisição do município, em área do Centro de Emprego e Formação Profissional de Setúbal, com horários alargados.

A somar a estes apoios, a autarca apontou que “o município tem feito reuniões com a tutela, pressionando-a relativamente à necessidade de ter um equipamento de retaguarda” no Hospital de São Bernardo.

“Até agora, não tivemos nenhuma resposta. A ministra da Saúde e o secretário de Estado têm conhecimento desta necessidade”, adiantou.

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, frisou a necessidade de se utilizar toda a capacidade instalada em Portugal na área da Saúde, referindo-se a “recursos humanos, equipamentos, infraestruturas, camas”.

O dirigente frisou ainda que “existem 13 mil camas fora do Serviço Nacional de Saúde, que estão nos hospitais privados e no setor social, e cerca 400 camas de cuidados intermédios e cuidados intensivos nos privados”.

Em Setúbal, atestou, “existe algum apoio do setor privado e social para ajudar o hospital de São Bernardo, mas ainda existe uma capacidade grande que pode ser utilizada”.

No final da visita, Miguel Guimarães deixou uma palavra de gratidão a todos os profissionais de saúde, em especial aos médicos do hospital, “que têm feito um trabalho hercúleo, um trabalho absolutamente impressionante”.

Igualmente na conferência de imprensa, o diretor clínico do Centro Hospitalar de Setúbal, Nuno Fachada, elogiou o esforço, a colaboração e a capacidade de entreajuda dos profissionais de saúde.

“Neste momento, estamos a ultimar um bloco anexo à zona de atendimento respiratório, com 27 camas”, com abertura prevista para esta semana e “com acesso próprio de oxigénio, de forma a aliviar a parte interna do hospital”.

A conferência de imprensa de dia 2, antecedida de uma visita do bastonário da Ordem dos Médicos ao Hospital de São Bernardo, contou ainda com as presenças do vereador da Saúde na autarquia, Ricardo Oliveira, do presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar de Setúbal, Manuel Roque, e do diretor do Serviço de Infeciologia do Hospital de São Bernardo, José Poças.