39° Céu limpo

O Arquivo Municipal de Setúbal promove a aquisição, conservação e divulgação do património arquivístico do concelho de Setúbal, visando subsidiar a memória coletiva concelhia e nacional.

O arquivo a missão de:

• Garantir condições mínimas de conservação física da documentação

• Organizar e inventariar a documentação do arquivo

• Enquadrar e regulamentar o sistema de arquivo da instituição, por forma a torná-lo aplicável às diversas fases do percurso arquivístico – arquivo corrente, intermédio e histórico

• Incorporar arquivos em fase intermédia e histórica, dispersos por outros serviços no município

• Criar condições de acesso ao arquivo

• Abrir o arquivo ao público

• Aprofundar instrumentos de descrição e pesquisa

• Divulgar o património arquivístico da instituição

• Assegurar o enriquecimento do espólio do arquivo

Serviços Disponibilizados

O Arquivo Municipal disponibiliza uma Sala de Leitura com a capacidade de receção simultânea de quatro leitores e apoio serviço de assistência prestado por um funcionário.

Os utentes podem aceder a toda a documentação de cariz público, de acordo com a moldura legal vigente.

Foi criado um centro de documentação de apoio ao investigador, no qual se encontram obras que visam incentivar o estudo da história local e a interpretação dos documentos de arquivos que estão disponíveis para consulta.


De segunda a sexta-feira
Das 09h00 às 16h00

O Arquivo Municipal disponibiliza apoio técnico a todas as pessoas singulares e coletivas, visando a conservação e divulgação da documentação.

O Arquivo Municipal desenvolve protocolos com o objetivo de preservar e divulgar a documentação, seja na receção de documentação, seja no apoio à conservação dos espécimes, sob contrapartida da sua divulgação e inventário.

Este serviço da autarquia pretende incrementar junto dos proprietários e produtores de documentação a consciência de que são detentores de um património relevante para o estudo da história local e nacional.

O Arquivo Municipal desenvolve um conjunto de ações utilizadas não só para rentabilizar e valorizar um trabalho de recolha e tratamento da sua documentação, mas também para proporcionar momentos de contacto direto com a “história viva” local.

Enquanto arquivo, assume a função de conservar e valorizar uma parcela importante da memória coletiva deste concelho. Este serviço pretende, também, mostrar as áreas técnicas do arquivo, o circuito da documentação dentro do edifício dos Paços do Concelho – Receção e Triagem; Pré-arquivagem; Conservação e Circuito do Utilizador – desde a entrada do edifício até à Sala de Leitura do Arquivo. Dá a conhecer, igualmente, profissões, provavelmente não muito comuns, mas que são as desempenhadas pelos profissionais deste serviço municipal.

Através de visitas guiadas, em ambiente informal, explica-se o que é um arquivo, quais as suas funções e fundos, a que se segue a sua exploração, de forma a mostrar o que guarda e o que faz a essência de um arquivo, estimulando-se o gosto pelo conhecimento da história do concelho de Setúbal.

Exposições disponíveis

  • 500 Anos do Foral Manuelino Setúbal (itinerante)
  • Bocage, Setubalense  – Registo do homem e do seu tempo (itinerante)
  • Exposição Virtual Kuchenbuck de Figueiredo

Atividades

O Serviço Educativo do Arquivo Municipal promove um conjunto de atividades que visam divulgar e sensibilizar para a importância e salvaguarda do património documental, bem como, do estudo e da divulgação do património histórico, material e imaterial do concelho de Setúbal.

  • Projeto “AnimArq” (O Arquivo Municipal vai à tua escola)
  • Oficinas Pedagógicas (“Vamos ser arquivistas por um dia”; “Oficina de carimbos”; “A fotografia como um documento”)
  • Visitas guiadas (divulga as funções do arquivo e a sua importância para a memória do concelho)
  • A Bandeira Municipal de Setúbal
  • Dia Elevação de Setúbal a cidade
  • Caça aos tesouros Manuelinos em Setúbal – Caminhada pelo foral
  • Na Rota do Documento – À descoberta do património documental Setubalense
  • Dia Internacional dos Arquivos

Todas as atividades são de participação gratuita. Mais informações através dos contactos do Arquivo Municipal.

O Arquivo Municipal faculta um serviço de reprodução de documentos, de acordo com a tabela de taxas e licenças em vigor.

Este serviço aplica-se a todos os documentos do fundo do arquivo autárquico, com exceção dos que, fruto da importância histórica que representam, a integridade seja colocada em causa devido as técnicas de reprodução disponíveis.

Horário
Dias úteis
Das 09h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30
Sala de Leitura | Das 09h00 às 16h00

Contactos
Praça de Bocage
2901-866 Setúbal
Telf: 265 541 500 | 914 028 897
arquivo@mun-setubal.pt

Enquadramento histórico

A história do Arquivo Municipal de Setúbal não é dissociável da atividade municipal e do espaço onde a mesma se desenrolou.

Com o incêndio, na noite de 4 para 5 de outubro de 1910, no decurso da Implantação da República, os Paços Concelho e o Arquivo Municipal ficaram destruídos, perdendo-se um legado institucional e patrimonial de valor incalculável para a história concelhia e nacional.

Certamente que o legado municipal iniciado em 1249, com a Carta de Foral de Setúbal, não terá permanecido inalterado até à referida noite, dado que as diversas catástrofes naturais, pestes e convulsões sociais que fustigaram Setúbal ditaram, seguramente, a perda e destruição de parte da documentação.

Os Paços do Concelho, sediados na Praça da Ribeira Velha, transitaram para o antigo Largo do Sapal (atual Praça de Bocage) na sequência da ordem, em 1526, de construção do edifício. Com o terramoto de 1 de novembro de 1755, dá-se a transferência para o convento de Brancanes, em face da ruína do edifício municipal.

Em 1858, um terramoto atingiu de novo a cidade de Setúbal e a sede do município foi seriamente danificada, embora em menor escala do que na noite de 4 para 5 de outubro de 1910. O cálculo da catástrofe nunca será feito, ficando tão-somente alguns apontamentos dispersos de fontes documentais consultadas antes de 1910.

Com a transição temporária para o Liceu Bocage e o regresso, em 1938, à Praça de Bocage, o Arquivo Municipal encontra o seu local físico até ao momento da descentralização, resultante de um protocolo assinado em 1998 com o Instituto Nacional de Arquivos/Torre do Tombo e a colocação de documentação (desde o século XVI ao século XX), sob regime de depósito, no Arquivo Distrital de Setúbal.

Regulamento

Com vista ao aumento da funcionalidade do serviço de Arquivo e à implementação de princípios de uniformização arquivística foi criado o Regulamento do Arquivo Municipal de Setúbal.

O regulamento, disponível para consulta nesta página, é uma ferramenta de gestão que tem como objetivo fomentar a gestão integrada da informação, assim como a preservação e valorização do acervo documental do município.