24° Céu limpo
Covid-19 | DAMA - Festival Regresso ao Futuro

Os D.A.M.A regressaram no dia 20 de junho, quatro anos depois, a Setúbal para o primeiro concerto musical no Fórum Municipal Luísa Todi, após o período de confinamento decorrente da pandemia de Covid-19.


“Hoje foi o meu primeiro dia de desconfinamento. Regressei ao trabalho e fui ao concerto dos D.A.M.A! Gostei muito. Tinha saudades de dançar, de cantar, mesmo que abafada com a máscara, e de voltar a sentir a energia de uma sala de espetáculo.”

Era este género de comentários que se lia nas redes sociais na noite de sábado, no final do primeiro concerto com público no Fórum Municipal Luísa Todi, após meses de confinamento.

Coube aos D.A.M.A atuar para 306 espetadores, que preencheram os lugares disponibilizados pelo Fórum Municipal Luísa Todi, cerca de cinquenta por cento da sua capacidade real.

Durante uma hora, a banda portuguesa formada por Miguel Cristovinho, Miguel Coimbra e Francisco Pereira (Kasha) partilhou, através de uma viagem ao pop com guitarras e órgão, temas como “Não Dá”, “Não Faço Questão”, “Nasty” e “Ela”, single estreado no final de maio.

O trio deixou palavras de homenagem ao ator Pedro Lima, encontrado morto na manhã de dia 20 na praia do Abano, em Cascais.

Com mais de 245 mil seguidores no Facebook, a banda tem os sucessos maiores em “Balada do Desajeitado” e “Luísa”, cada uma delas com mais de nove milhões de visualizações no Youtube.

O primeiro álbum dos D.A.M.A, acrónimo de Deixa-me Aclarar-te a Mente Amigo, foi lançado em setembro de 2014. Uma Questão de Princípio vendeu mais de 30 mil cópias, atingindo a distinção de Platina.

O protocolo de segurança previa a entrada ordenada dos espetadores, devidamente higienizados à entrada e à saída e protegidos com máscara e sentados com um lugar vago entre cada cadeira ocupada na mesma fila.

De forma a reduzir a movimentação de pessoas não existiu intervalo durante o espetáculo.

Também a entrada no equipamento apresentou novidades.

A hora de entrada na sala só aconteceu, no máximo, uma hora antes do início do espetáculo, pela entrada principal e respeitando as distâncias de segurança. A saída feita pelas portas laterais, para o público na primeira plateia, e pela porta principal, para espetadores na segunda plateia.

O concerto de dia 20 realizou-se no âmbito do Festival Regresso ao Futuro, iniciativa nacional que marca o retorno dos artistas portugueses aos palcos.

Além de Setúbal, o festival contou, no mesmo dia, com mais 23 concertos em 23 salas municipais de todo o país que acolheram alguns nomes da música portuguesa, como António Zambujo, Salvador Sobral, Carolina Deslandes ou Áurea.

Os bilhetes tiveram o preço único de 10 euros e as receitas reverteram a favor do Fundo de Solidariedade para a Cultura, criado pela Audiogest e pela Gestão dos Direitos dos Artistas com o objetivo de ajudar a indústria musical a recuperar das perdas durante o confinamento.

Promovido pela Sons em Trânsito, o novo festival serviu também para reforçar a importância dos teatros e salas de espetáculos municipais para a sustentabilidade da cultura em Portugal numa altura em que o setor está parado há vários meses.