12° Parcialmente nublado
Shoes - Film Fest 2019

Um festival de cinema inédito em Setúbal, o Film Fest, deu cartas ao longo de dez dias na cidade, com mais de duas dezenas de cine-concertos, palestras, oficinas e uma exposição de Tó Trips, patente na Casa da Cultura até dia 30 de outubro.


Foi com a música de Jorge Moniz e Mário Delgado e a exibição de “O Gabinete do Doutor Caligari”, filme mudo de Robert Wiene, estreado em 1920 e considerado o principal marco do expressionismo alemão, que o Film Fest fechou a edição de estreia, no dia 20, à noite, no Cinema Charlot – Auditório Municipal.

A pensar nas famílias, o certame reservou, igualmente para o dia 20, mas de tarde, no Fórum Luísa Todi, a sessão Pais & Filhos, com a exibição de “Sherlock Jr.”, de Buster Keaton, musicado ao vivo por Noiserv, considerado um dos mais criativos e estimulantes projetos musicais criados no país na última década.

Realizado entre os dias 10 e 20, o Film Fest – Festival de Cinema Musicado ao Vivo, em edição de estreia numa organização da Câmara Municipal de Setúbal, teve como locais centrais da programação o Fórum Municipal Luisa Todi e o Cinema Charlot – Auditório Municipal, com a exibição de 21 filmes, entre curtas e longas-metragens.

As películas foram exibidas em 12 sessões, oito para o público em geral, duas para as escolas, uma de Pais e Filhos e ainda uma apresentação dos resultados de um workshop desenvolvido junto da comunidade educativa do concelho.

O certame, dinamizado em parceria com a Associação Festroia e a 50 Cuts – Associação Cinematográfica, recuperou o formato original do cine-concerto, com a exibição de filmes mais conhecidos do público, bem como de cinema de autor, com a particularidade de serem todos acompanhados musicalmente por artistas que atuaram ao vivo perante o público, reinventando as bandas sonoras de forma singular.

Destaque para a exposição de ilustrações “Eram os Cartazes mais Rápidos do Mundo”, patente até ao dia 30 de outubro, no Espaço Ilustração da Casa da Cultura.

Esta mostra apresenta originais de Tó Trips, artista conhecido no mundo da música por integrar o projeto Dead Combo, e pode ser vista aos domingos, terças e quartas, das 10h00 às 22h00, e às quintas, sextas e sábados, entre as 10h00 e a 01h00.

“L’Inferno”, musicalmente acompanhado ao vivo pelo Coro Setúbal Voz, foi no filme de abertura oficial do Film Fest – Festival de Cinema, no dia 10, no Fórum Municipal Luísa Todi, sala que acolheu também a estreia nacional, em formato de cine-concerto, de “Beautiful Things”.

A obra, vencedora da categoria “Melhor Filme Italiano” na 74.ª edição do Festival de Cinema de Veneza, contou com a presença do realizador, Giorgio Ferrero. A exibição no festival sadino foi acompanhada musicalmente num dueto entre Giorgio Ferrero e Rodolfo Mongitore.

Da programação do certame destaca-se ainda a homenagem ao realizador escocês Norman McLaren, nome histórico do cinema de animação, com a exibição de “Mosaico”, “A Chairy Tale”, “Blinkity Blank”, “Neighbours” e “Loops”, com bandas sonoras ao vivo a cargo de Daily Misconceptions, projeto de música eletrónica de João Santos.

O Film Fest dedicou ainda uma sessão à cineasta pioneira Germaine Dulac, com La Negra, projeto de Sara Ribeiro, e Alexandre Bernardo, na guitarra, a musicarem ao vivo as curtas-metragens “Étude Cinématographique sur une arabesque” e “L’Invitation au voyage”.

As escolas também estiveram contempladas com sessões específicas. “O Balão Vermelho”, de Albert Lamorisse, foi acompanhado musicalmente por Charlie Mancini.

Houve ainda a apresentação do atelier de sonorização “Mini-Mancinis”, com os filmes “Felix in Hollywood” e “O Imigrante”, ambos com acompanhamento musical ao vivo por Charlie Mancini e formandos do atelier.

Incluídos no lote de 21 filmes em exibição estiveram ainda “Shoes”, com música por Gonçalo Simões, “O Homem da Câmara de Filmar”, com Norberto Lobo a cargo do acompanhamento musical, e “I’m Furious Red” e “Giuseppi”, ao som dos MODS Collective.

As produções portuguesas tiveram também presença garantida no certame, com a exibição de “Rita ou Rito?…”, de Reinaldo Ferreira, com música de O Manipulador, projeto musical do baixista e compositor Manuel Molarinho, e “Os Lobos”, de Rino Lupo, com concerto a cargo de Tó Trips.

Ao longo dos onze dias, o certame proporcionou ainda ao público a oportunidade para descobrir um conjunto de atividades paralelas na Casa da Cultura e no Espaço 50 Cuts, como oficinas de cinema para famílias e conversas dedicadas ao cinema, caso da palestra “Como pensa um compositor de música para filmes?”, com a participação de Aurélien Vieira Lino.

O evento contou, ainda, com as parcerias da Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, Cineteca di Bologna, Fundação Friedrich Wilhelm Murnau, Il Sorpasso – Associação Cultural, do Instituto Italiano de Cultura de Lisboa, de Valletta 2018 – Capital Europeia da Cultura, da Light Cone Films, Lobster Films, Milestone Films e National Film Board of Canada.