13° Céu limpo
Covid-19 | vacinação | Lar Dr. Francisco Paula Borba

Cerca de um milhão de doses de vacinas contra a Covid-19 devem ser disponibilizadas, até ao final de março, para serem administradas à população no âmbito do plano nacional de vacinação.


Esta informação foi transmitida aos autarcas, incluindo a presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Maria das Dores Meira, pelo novo coordenador da task force para o Plano de Vacinação Covid-19, Henrique Gouveia e Melo, em missiva na qual faz um ponto de situação relativamente a este processo.

Uma das matérias partilhadas por este responsável no documento informativo que procura fazer uma gestão das expectativas e combater a especulação diz respeito ao desfasamento entre os números de vacinas contratadas e as que efetivamente foram entregues.

“O resultado desta realidade, que nos é alheia e que estamos em crer que deverá começar a desvanecer-se no início do terceiro trimestre, materializa-se, no imediato, no limitar das expectativas criadas quanto ao número de doses de vacinas a disponibilizar, que, em consciência, dificilmente ultrapassará um milhão de doses até ao fim de março.”

Nesta perspetiva, Henrique Gouveia e Melo aponta que “a recente edificação, por algumas autarquias, de centros de vacinação rápida e massiva, cujo padrão está ainda e ser refinado pela Direção-Geral da Saúde e pela task force, é passível de criar, face à escassez de vacinas, expectativas infundadas na população”.

Contudo, o coordenador do Plano de Vacinação Covid-19 realça que “este tipo de solução [centros de vacinação massiva e rápida] será certamente necessário num futuro próximo, a edificar num processo coordenado, controlado e gradual à medida das necessidades e envolvendo todas as entidades competentes”.

Henrique Gouveia e Melo destaca ainda algumas ideias-chave relativamente ao processo de vacinação em curso e reforça a importância do apoio que as várias estruturas autárquicas podem, efetivamente, prestar em cada momento deste processo.

O responsável sublinha que, na presente fase de vacinação, as autarquias e as estruturas locais “podem ter uma ação muito relevante” ao desenvolver “um trabalho que poderá vir a ser determinante no sucesso do processo de vacinação”.

Nesta matéria, é destacado o apoio logístico aos centros de saúde, o transporte de pessoas com dificuldades de mobilidade, tanto por razões de saúde como de isolamento profilático, e a identificação de pessoas dificilmente contactáveis por motivos de literacia limitada.

O Plano de Vacinação Covid-19, a decorrer desde o final dezembro, atendendo ao acesso limitado a vacinas, é realizado por fases e por grupos prioritários, os quais foram definidos de acordo com princípios científicos e éticos, de aceitabilidade e de exequibilidade.

No âmbito desta primeira fase de inoculações, os utentes com mais de 80 anos ou mais de 50 anos com doenças associadas podem verificar, pelo preenchimento de um formulário online, se constam da lista de vacinação deste período do plano.

Este serviço do Ministério da Saúde, no qual os interessados devem indicar o nome completo, assim como a data de nascimento e número de utente do Serviço Nacional de Saúde, pode ser acedido nesta ligação.