13° Muito nublado
Coronavírus Covid-19 | Fan 3D | empresa produz viseiras

Uma equipa de três engenheiros mecânicos está a produzir em Setúbal, através da impressão 3D, centenas de viseiras para os profissionais de saúde locais, numa tentativa de enfrentar a escassez de equipamento de proteção individual em tempos de emergência.


Nestes dias verdadeiramente conturbados e difíceis no setor da saúde, os pedidos de viseiras, máscaras, desinfetantes, batas e outro material médico multiplicam-se, assim como os esforços para a criação de soluções inovadoras para acudir aos técnicos de saúde e à população em geral.

Eurico Assunção, Luís Fialho e David Barbosa vivem em Setúbal, são engenheiros mecânicos e trabalham na FAN 3D, empresa especializada em consultadoria de engenharia e que presta apoio para a indústria nas melhores práticas da impressão a três dimensões.

Com uma enorme vontade de se sentirem úteis a falar mais alto, a empresa e os colaboradores saíram do nicho de mercado habitual, agarraram na tecnologia, mais concretamente nas impressoras 3D que têm à disposição, e colocaram-na ao serviço da segurança, com a fabricação de viseiras de proteção para os profissionais de saúde.

Desde 4 de abril, a empresa fabrica as viseiras num dos edifícios do Parque Municipal de Poçoilos, depois de uma cedência de instalações pela Câmara Municipal de Setúbal.

“Não ganhamos nada com isto. Simplesmente, readaptamo-nos. A produção das viseiras vai aumentando de dia para dia, à medida das necessidades”, explica Luís Fialho, da start-up portuguesa FAN 3D, que, em termos nacionais, já produziu mais de duas mil viseiras com recurso a impressão a três dimensões.

A iniciativa começou quando o responsável desta empresa, Eurico Assunção, de Setúbal, falou com uma vizinha enfermeira, que lhe disse que não tinham equipamento. Rapidamente, foi ver se havia alguma solução para impressão em 3D.

“As viseiras foram testadas e validadas pelos profissionais de saúde e são reutilizáveis, o que quer dizer que podem ser esterilizadas”, assegura Luís Fialho, enquanto completa a colocação de papel acetato numa das viseiras terminadas.

A ideia, criada a 18 de março, seguiu-se a uma primeira produção por parte da empresa lisboeta, que entregou trinta viseiras ao hospital de Setúbal, gerando inúmeros pedidos de outras instituições hospitalares nacionais e a entrega de mais materiais médicos elaborados pela FAN 3D.

Este é mais um exemplo das iniciativas individuais ou em rede a surgir no concelho que tornam possível fazer face à pandemia de Covid-19 e um caso de como os munícipes e as empresas, em articulação com o município, se estão a organizar para ajudar o pessoal do Centro Hospitalar de Setúbal e de centros de saúde.

Outro deles é a Solidariedade entre Linhas, uma campanha de voluntariado, em crescimento, com o estímulo da autarquia, nascida de uma dupla de costureiras das marchas populares, que agarrou nas linhas e nos dedais para confecionar máscaras e botas destinadas a proteger os profissionais do Centro Hospitalar de Setúbal.