15° Nublado

A presidente da Câmara Municipal de Setúbal, Maria das Dores Meira, apresentou no dia 7, em reunião pública, uma declaração na qual esclarece que a autarquia não intervém na vida interna do Vitória Futebol Clube.


DECLARAÇÃO DA PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE SETÚBAL
VITÓRIA FUTEBOL CLUBE
Reunião de Câmara de 7 de outubro de 2020

A Câmara Municipal de Setúbal adotou, nos últimos meses, um conjunto de iniciativas com as quais pretendeu defender património associado ao Vitória Futebol Clube e apoiar o emblema sadino na resolução dos complexos problemas que enfrenta.

Hoje, o estádio do Bonfim está mais protegido e passou a ser um património de todos os setubalenses graças à intervenção municipal. Apoiámos igualmente o clube com a cedência de terrenos, de forma a que pudesse o Vitória ter as necessárias garantias para se manter no lugar que é seu.

À câmara municipal compete apoiar, mas nunca intervir na vida interna do clube: essa é uma prerrogativa exclusiva dos associados.

Esta é a regra que tem norteado, desde há muito, a postura da autarquia a que presido na relação com o clube e dela não nos desviaremos. Uma regra a que é importante acrescentar outro ponto: a Câmara Municipal relaciona-se, única e exclusivamente, com o clube através da direção eleita pelos sócios e que estiver em funções em cada momento.

Serve esta declaração para reafirmar esta regra e para informar que nem eu, na minha qualidade de presidente da edilidade ou a título pessoal, nem nenhum dos vereadores do executivo municipal com pelouro atribuído, receberam, tiveram contacto ou falaram por interpostas pessoas com supostos investidores brasileiros ou de qualquer outra nacionalidade que poderiam estar interessados no clube.

Não o fizemos nem o faremos.

Não temos por hábito desmentir rumores, contudo, face à dimensão que ganhou na cidade a informação falsa de que a presidente da Câmara Municipal de Setúbal teria recebido gente interessada em investir no clube, entendemos que é tempo de desfazer a credibilidade de tais informações.

Manteremos a posição de apenas falar com a direção do clube que estiver em funções, como compete a um órgão autárquico.